Publicidade

Estado de Minas LESTE DE MINAS

Polícia cerca trenzinho da alegria e prende homem armado em meio a crianças

O cerco policial parou o trânsito na Avenida Veneza, em Governador Valadares; por causa da pandemia, veículo não poderia estar circulando


13/10/2020 20:03 - atualizado 13/10/2020 20:56

As viaturas da PM se posicionaram na Avenida Minas Gerais e cercaram o trenzinho na Avenida Veneza(foto: Reprodução/Redes sociais)
As viaturas da PM se posicionaram na Avenida Minas Gerais e cercaram o trenzinho na Avenida Veneza (foto: Reprodução/Redes sociais)
Um cerco policial chamou a atenção dos moradores do Bairro Grã-Duquesa, em Governador Valadares, na noite do dia 12, no fim das comemorações do Dia das Crianças. Cinco viaturas da Polícia Militar cercaram um “trenzinho da alegria”, carreta com luzes multicoloridas, que tem sistema de som com músicas dançantes e pessoas caracterizadas de personagens da Disney e Super Heróis. O trenzinho circula pelas principais ruas da cidade levando crianças acompanhadas por pais ou responsáveis.

Os curiosos, a distância, não entendiam o que estava acontecendo, ao ver o trenzinho cercado pela polícia na esquina da Avenida Minas Gerais com Avenida Veneza, área de grande movimentação de veículos e pedestres.

Mas logo veio a informação: a Polícia Militar estava à procura de um homem armado, que segundo um denunciante estava dentro da carreta. Os policiais entraram no veículo e fizeram as buscas. Encontraram um revólver calibre 38 no colo de uma mulher, que segurava o filho pequeno.

A mulher que estava com a arma no colo disse aos policiais que um homem, ao ver que o trenzinho estava cercado, jogou a arma em cima dela e se misturou com outros passageiros. Descreveu o homem aos policiais, que logo identificaram o dono da arma.

Era um rapaz de 19 anos, figura conhecida no meio policial. O rapaz foi preso e a arma apreendida.

Aglomeração ambulante

 


Os trenzinhos da alegria estão proibidos de circular em Governador Valadares, desde que a cidade entrou na onda amarela do Plano Minas Consciente. O que intrigou a muitos no incidente relacionado ao cerco policial foi o fato de um trenzinho estar circulando em pleno período de restrições impostas a esse serviço de diversões, pelas regras de enfrentamento à COVID-19.

Joaquim Gonzaga, dono do Expresso da Alegria, empresa que explora há anos o serviço de diversões em trenzinhos, em Valadares, ficou surpreso ao saber do cerco policial.

“Achei estranho. Estou com meus quatro trenzinhos parados por causa da pandemia do novo coronavírus. Eu até trabalhei durante o período da onda verde, mas parei desde que entramos na onda amarela”, disse.

Gonzaga disse que ele e o empresário Rômulo Tolomelli, pioneiro da exploração do serviço em Valadares, estão parados, e não entendem porque outros trenzinhos insistem em circular: “Esses trenzinhos são de fora, de outras cidades, e vêm pra cá fugindo de restrições impostas a eles em outros lugares”.

Rômulo Tolomelli também ficou surpreso. “Eu nem estou saindo de casa, porque já sou do grupo de risco, por isso não soube dessa ocorrência”, disse, lembrando que lamentava o episódio.

A prefeitura informou que os trenzinhos não podem circular neste período da onda amarela por causarem aglomeração. E que os fiscais de posturas vão fiscalizar o descumprimento das normas sanitárias por parte desses dos trenzinhos que estão desobedecendo a proibição.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade