Publicidade

Estado de Minas Frustração

Sistema de telefonia 192 não funciona e adia início do Samu no Leste de Minas

Sonho dos municípios do Leste do estado, o Samu Regional entraria em atividade nesta terça-feira (13), mas a empresa de telefonia pediu 45 dias para fazer implantar o sistema de atendimento pelo 192


13/10/2020 15:19 - atualizado 13/10/2020 15:50

O Samu Regional vai funcionar no prédio da Região Integrada de Segurança Pública (Risp), no Bairro Grã-Duquesa, em Valadares(foto: Tim Filho/Esp. Para o EM)
O Samu Regional vai funcionar no prédio da Região Integrada de Segurança Pública (Risp), no Bairro Grã-Duquesa, em Valadares (foto: Tim Filho/Esp. Para o EM)
O início dos trabalhos do Samu Regional do Leste de Minas, previsto para esta terça-feira (13), teve de ser adiado. Um problema técnico com a operadora de telefonia que atenderia às ligações do número 192, frustrou a coordenação do Consórcio Intermunicipal da Rede Urgência e Emergência do Leste de Minas Gerais (Consurge). A empresa de telefonia pediu mais 45 dias de prazo para implantar o sistema de atendimento às comunidades.

Na primeira fase do Samu Regional, sonho antigo dos municípios do Leste de Minas, serão atendidas quatro cidades no Vale do Aço: Belo Oriente, Caratinga, Coronel Fabriciano e Timóteo. No Vale do Rio Doce serão atendidos sete: Governador Valadares, Mantena, Resplendor, Tarumirim, São João Evangelista, Peçanha e Santa Maria do Suaçuí.
 
A Central de Regulação estará baseada em Governador Valadares, na sede da Região Integrada de Segurança Pública (RISP), no Bairro Grã-Duquesa, com 12 ambulâncias e 200 profissionais capacitados para o atendimento, em parceria com o Corpo de Bombeiros.

O diretor-executivo do Consurge, Narcélio Alves Costa, não escondeu a tristeza ao anunciar o adiamento. “É com pesar que eu trago essa notícia, mas esse atraso será necessário, uma vez que o Samu necessita de sua central de regulação funcionando, com a população tendo acesso às chamadas do 192”, disse.
 
Ele disse também que já estava negociando com o governo do estado uma pré-agenda do governador Romeu Zema ao Leste para inaugurar o Samu Regional, mas a visita foi descartada, por enquanto. 

A implantação do Samu Regional é parte de uma luta iniciada em 2013 – a operação do serviço chegou a ser anunciada em 2017. A deputada estadual Rosângela Reis (Podemos), que esteve à frente das reivindicações, lembra que foram várias reuniões e cobranças, há quase sete anos.

Em 2017, o estado só tinha dinheiro para iniciar um Samu Regional, Vale do Rio Doce ou Vale do Aço. A deputada lembra que iniciou a luta pela integração do Consórcio Intermunicipal de Saúde dos Vales (Cisvales) e o Consórcio Intermunicipal de Saúde da Rede de Urgência e Emergência do Leste de Minas (Consurge).


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade