Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

COVID-19: Alfenas ignora alta de casos e decide continuar na onda amarela

Mesmo com número alto de casos de infectados pelo coronavírus, prefeitura não quis voltar para onda vermelha do programa Minas Consciente, conforme recomendação do governo do estado


13/10/2020 17:19 - atualizado 13/10/2020 19:06

Alfenas decide continuar na onda amarela(foto: Gilson Leite/divulgação)
Alfenas decide continuar na onda amarela (foto: Gilson Leite/divulgação)
A Prefeitura de Alfenas, no Sul de Minas, vem divulgando números altos de COVID-19 na cidade. No último mês, o número de registros dobrou e os casos continuam subindo. Mesmo assim, a prefeitura decidiu continuar na onda amarela do Plano Minas Consciente apesar da recomendação do governo para regredir para a onda vermelha.

 

De acordo com o último boletim municipal, Alfenas segue com 1.581 casos do novo coronavírus e 41 mortes em decorrência da doença. “A cidade vai continuar na onda amarela, que é a recomendada para a macrorregião Sul de Saúde. A onda vermelha foi recomendada para a microrregião de Alfenas e Machado”, diz Wagner Soares, coordenador da Vigilância Sanitária.

 

Na semana passada, o número de casos dobrou  em comparação com o mês passado. Em 7 de outubro, em relação a 7 de setembro, houve aumento de 787 casos. Com os dados em alta, a prefeitura publicou um novo decreto. “Além do feriado dessa segunda-feira (12), Alfenas comemora 151 anos na quarta-feira (15). Reforçamos as fiscalizações em bares e restaurantes. Além disso, pedimos a colaboração da população. Não é o momento de fechar o comércio e por isso, vamos continuar na onda amarela”, afirma.

  

Prefeitura fechou bar por tempo indeterminado após aglomerações (foto: Ascom/divulgação)
Prefeitura fechou bar por tempo indeterminado após aglomerações (foto: Ascom/divulgação)
Segundo a prefeitura, o trabalho da Vigilância Sanitária foi intensificado na cidade. “No último fim de semana, suspendemos por tempo indeterminado, as atividades de um bar e um local, que funcionava um forró. Os estabelecimentos não estavam seguindo às regras de prevenção ao novo coronavírus”, disse. 

 

Neste cenário, a Santa Casa da cidade está com 60% dos leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados. “A variação está estável, mas não caiu. O parâmetro vai ser daqui 15 dias após os feriados”, ressalta Carlos Marcelo de Barros, diretor clínico.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade