Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Minas é o estado que mais recebeu pacientes de outros locais durante a pandemia

Dados da Fiocruz mostram que estado é o que mais tratou vítimas do coronavírus de outras unidades da Federação. Especialista vê reflexo do respeito ao isolamento


04/10/2020 04:00 - atualizado 04/10/2020 07:33

Praça Sete, em BH: a consciência da população para evitar avanço da contaminação e mortes, segundo especialistas, liberou rede de saúde, usada por pessoas de fora do estado (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 6/8/20)
Praça Sete, em BH: a consciência da população para evitar avanço da contaminação e mortes, segundo especialistas, liberou rede de saúde, usada por pessoas de fora do estado (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press %u2013 6/8/20)


Minas Gerais é o estado que trata mais pacientes contaminados pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2) vindos de outras unidades da federação, o que pode ser resultado de uma oferta de leitos hospitalares excedente, fruto do comprometimento da população com o isolamento. É o que indicam dados coletados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), compilados pelo Estado de Minas e avaliados por profissionais sanitários (veja tabelas nesta página) a partir dos fluxos de casos e óbitos encaminhados pelas secretarias estaduais de Saúde até 14 de setembro. Minas se destaca com o maior percentual de pessoas de fora do estado ou de origem indefinida mortas por COVID-19 em seus hospitais, com 3,4% do total. O percentural re- presenta mais de três vezes a taxa no segundo colocado, o Mato Grosso (1,1%), e a do terceiro no ranking, o Paraná (1,03%).

''A questão central é o isolamento e o uso de máscaras pela população''

Geraldo Cunha Cury, epidemiologista e professor da Faculdade de Medicina da UFMG




O total de 216 pacientes que perderam a vida por COVID-19 após chegar ao estado é também o maior número do Brasil, à frente de Pernambuco (65) e do Paraná (40). No último dia 27, os mortos pela doença que não eram do estado chegavam a 229 vítimas. Se esse somatório representasse os óbitos em um único município, estaria abaixo apenas dos registros em Belo Horizonte (1.199), Uberlândia (538), Contagem (361) e Governador Valadares (245), mas acima das notificações em grandes centros como Betim (199) e Juiz de Fora (202), considerando-se a mesma data.

Com relação aos diagnósticos positivos, Minas Gerais tem um total de 2,6% de detecção em “forasteiros”, perdendo apenas para Santa Catarina, onde o volume percentual corresponde a 3,2%, e à frente de Roraima, estado que recebe refugiados venezuelanos, mas onde apenas 1,9% dos pacientes de COVID-19 são de fora. Para dar uma ideia do que isso representa, cerca de 500 pessoas passam todos os dias pela fronteira do Brasil com a Venezuela, em Roraima, ainda que poucas delas sejam submetidas a testagem para detecção do vírus.

Em Minas, o universo de pacientes de fora do estado representa 6.776 pessoas com teste positivo para o novo coronavírus, média de 37 casos por dia desde 16 de março, quando o primeiro teste positivo foi registrado em território mineiro. Em termos absolutos, é o maior volume de pacientes “importados”, à frente de Santa Catarina, com 6.520, e do Ceará, com 2.064.

Ainda em 27 de setembro, o volume de diagnósticos positivos vindos de fora subiu para 6.995. Se representasse um  município, estaria atrás de Belo Horizonte (41.091), Uberlândia (26.586), Contagem (8.717), Ipatinga (8.496), Montes Claros (8.496) e Governador Valadares (7.146), mas novamente à frente de grandes cidades como Juiz de Fora (5.803) e Betim (5.759).



 

Quarentena

Uma das explicações para o ingresso de tantos doentes em Minas Gerais, segundo o infectologista Geraldo Cunha Cury, epidemiologista e professor da Faculdade de Medicina da UFMG, que coordena a vacinação em BH, é que o isolamento poupou vagas do sistema de saúde, tornando essa oferta atraente para pacientes de estados onde as condições eram piores, como São Paulo e Rio de Janeiro – redes nas quais poucos pacientes de fora têm oportunidade de se tratar, devido à alta demanda interna.

“A Prefeitura de Belo Horizonte agiu rápido e tomou medidas imediatas de isolamento, o que ocorreu no estado também. A questão central é o isolamento e o uso de máscaras pela população. Daí, logo no início da epidemia começamos a ver pacientes vindos de locais com realidades piores, como Manaus e Belém”, afirma.

Comparados aos registros de uma cidade, óbitos de 'forasteiros' em Minas perderiam para Uberlândia(foto: Valter de Paula/Prefeitura de Uberlândia. Divulgação - 10/7/20)
Comparados aos registros de uma cidade, óbitos de 'forasteiros' em Minas perderiam para Uberlândia (foto: Valter de Paula/Prefeitura de Uberlândia. Divulgação - 10/7/20)

Colapso hospitalar foi evitado

Longe de um colapso ou situação de lotação extrema nos hospitais, como ocorreu nos momentos de pico no Amazonas, Pará e no Rio de Janeiro, por exemplo, Minas Gerais ainda apresenta cerca de 60% dos leitos ocupados, sendo 20% de pacientes testados ou com suspeita de ter a COVID-19. O pior índice de ocupação se deu em junho, quando 88% das vagas de terapia intensiva tinham pacientes e 75% da capacidade das enfermarias estava ocupada.

A migração de pacientes de fora do estado foi prevista pelo prefeito de Belo Horizonte em maio, quando Alexandre Kalil demonstrou preocupação com a tendência, ainda que, na época, fossem apenas cinco paraenses, dois paulistas, um fluminense e um capixaba internados na cidade. “Todo sacrifício e o dinheiro que foi posto aqui (em BH) são para a nossa população, que está se sacrificando. É claro que ninguém vai negar socorro para ninguém. Agora, houve um sacrifício muito maior do povo belo-horizontino, que é um povo mais disciplinado mesmo, é mais responsável mesmo. Isto aqui não é hospital. Isso aqui é uma cidade onde todo mundo respeitou (o isolamento) e por isso estamos minimamente garantidos até agora. Amanhã, eu não sei”, disse, na época, preocupado com uma possível sobrecarga de doentes “importados”.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informa ainda não ter acesso aos dados e comparativos, não podendo se manifestar sobre os questionamentos apontados pelo Estado de Minas. “Reforçamos que as informações sobre a COVID-19 em Minas Gerais são apresentadas no boletim epidemiológico da doença, atualizado diariamente e publicado no site da SES”, informou, em nota.

Balanço

Minas Gerais registrou ontem 7.569 mortes provocadas pela COVID-19. Foram 67 óbitos confirmadas em 24 horas, ao mesmo tempo em que o número de casos aumentou em 3.445. O universo de diagnósticos positivos alcança 305.527 no estado. Segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde, 270.475 pessoas se recuperaram da doença e outras 27.483 ainda apresentam sintomas da enfermidade. (MP)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade