Publicidade

Estado de Minas

Bombeiros, brigadistas e moradores tentam apagar incêndio no Parque Nacional da Serra do Cipó

Fogo que começou no parque atingiu área da Lapinha de João Congo, região que não tinha incêndios há pelo menos sete anos, segundo uma moradora


29/09/2020 12:29 - atualizado 29/09/2020 13:00

Foco de incêndio no início da noite de segunda-feira(foto: Jacimaria Alves de Souza/Divulgação)
Foco de incêndio no início da noite de segunda-feira (foto: Jacimaria Alves de Souza/Divulgação)


Equipes de bombeiros miliares, brigadistas e moradores tentam apagar um incêndio que começou há três dias na área da Serra da Caetana, no Parque Nacional da Serra do Cipó, na Grande BH. A extensão da área queimada ainda não foi calculada, mas moradores dizem que um incêndio dessa proporção não ocorria há alguns anos. 

A vendedora Jacimaria Alves de Souza, de 24 anos, mora há seis quilômetros do local do incêndio. Segundo ela, o fogo chegou na área onde ela mora na madrugada de domingo, mas circulam na região informações de que as primeiras chamas teriam aparecido no parque ainda na tarde de sábado. 

“O fogo veio do parque, que estavam tentando apagar desde sábado, e não conseguiram. Ele subiu, queimou Lagoa Dourada toda, e desceu a serra que vai para a nossa região, a Lapinha de João Congo, que pertence a Jaboticatubas, e queimou tudo”, conta.  

“Quando o fogo ficou mais perto e mais alto, dava para ouvir e ver da minha casa. Ficamos sem energia e era muita fumaça”, contou. Voluntários também trabalham no combate. Jacimaria disse que, na área onde estava, atuavam apenas dois conhecidos. “Tinha força de vontade, mas faltavam equipamentos”, lamentou. 

Veja o vídeo feito por um dos voluntários



A área em chamas e de difícil acesso e o sinal telefônico costuma falhar. Ela e outros moradores ligaram diversas vezes para o Corpo de Bombeiros mas, segundo ela, os militares só teriam chegando naquela parte da região à noite. “Eu pegava a moto, subia lá em cima e ligava. Até que consegui falar e me disseram que estavam mandando um caminhão dos bombeiros. Chegou aqui mais de dez da noite. Da minha casa não dá para ver, mas no grupo (de WhatsApp) o pessoal comentou que tinha chegado. Porém, não tinha o que fazer. O solo é difícil, estava muito escuro, o fogo estava muito alto”, comentou a vendedora. 

Segundo Jacimara, a área da comunidade estava em processo de recuperação. “Tem mais de sete anos que não pega fogo nesta área aqui. É uma área onde o pessoal já tinha conseguido aumentar o fluxo de água da nascente, reflorestado uma parte, estava com projeto de reflorestar o outro lado. Tinham fechado o acesso à visitação dos turistas por questão de lixo demais, e veio o fogo e limpou tudo. Eles (bombeiros) vieram hoje pela manhã. Era 6h, e já estavam circulando com helicóptero, porque se o fogo chegar na lapa nós vamos ficar sem internet também. E ali também há outros mananciais”, relatou. 



Nesta terça, o Corpo de Bombeiros informou que as equipes estavam no Parque Nacional da Serra do Cipó desde as 10h de ontem e que hoje ainda há vários focos em locais de difícil acesso. Também há combate ao fogo em Cardeal Mota, perto do km 94 da MG-010. 

O Parque Nacional da Serra do Cipó foi reaberto à visitação pública na sexta-feira, mas ainda com algumas restrições diante da pandemia do novo coronavírus. O limite de visitantes é de 150 pessoas por dia, por ordem de chegada. Os turistas também não podem se reunir em grupos com mais de 10 pessoas e o uso de máscaras é obrigatório.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade