Publicidade

Estado de Minas BODAS DE BRILHANTE

Amor além do tempo: em meio à pandemia, casal mineiro celebra 75 anos de casados

Custódio, de 97 anos, e Cecília, 93, colecionam memórias juntos e inspiram gerações de filhos, netos, bisnetos e até tataranetos


26/09/2020 06:00 - atualizado 25/09/2020 20:26

Sr. Custódio e Sra. Cecília celebram as Bodas de Brilhante(foto: Arquivo Pessoal)
Sr. Custódio e Sra. Cecília celebram as Bodas de Brilhante (foto: Arquivo Pessoal)
Quando eles nasceram, as mulheres ainda nem sequer votavam no Brasil. Quando se casaram, a Segunda Guerra Mundial havia acabado de chegar ao fim. Agora, em meio à pandemia da COVID-19, celebram 75 anos de casados, junto a 12 filhos (dois in memoriam), 48 netos, 31 bisnetos e três tataranetos. Essa é a história do sr. Custódio, de 97, e da sra. Cecília, de 93, moradores de Viçosa, na Zona da Mata, que comemoram, neste sábado (26), suas "bodas de brilhante".

Sr. Custódio nasceu em Guaraciaba, pequena cidade próxima a Viçosa; Sra. Cecília, na zona rural de Teixeiras, também nas redondezas. Ele trabalhava como lavrador de terras, e sempre teve a música como hobbie. Ela era dona de casa, como era típico da época. Em comum, gostavam de dançar e de frequentar os bailes - e foi assim que se conheceram.

"No tempo em que a gente era novo, íamos no pagode. Tinha baile e eu tirei a mãe dela para dançar, como fazia na época. Demos uma volta e ela disse pra eu tirar a filha dela. Desse dia pra cá, surgiu o amor", relembra sr. Custódio. "Depois, ele começou a tirar ela para dançar repetidas músicas, e era assim que começavam os namoros da época", narra Helena Martins, a filha caçula do casal.
  
O namoro começou em 1943 e eles vieram a se casar dois anos depois, em 26 de setembro de 1945. "Ele cantava nos grupos de músico quando os dois começaram a se entrosar, se relacionar. Ele chegou a fazer um verso pra ela, 'Eu conquistei Cecília', quando começaram a namorar", conta Edilan Martins, de 27 anos, historiador e neto do casal.
 
Parte da família reunida(foto: Arquivo Pessoal)
Parte da família reunida (foto: Arquivo Pessoal)
 
 
A partir de então, foram responsáveis por formar uma grande família. No total, doze filhos: Olinda, Maria Madalena, Helena, João, José, Antônio, Juarez, Itamar, Sebastião, Airton, Agostinho (In Memoriam) e Tereza (In Memoriam). Deles, netos, bisnetos e até tataranetos. "É muito legal e bonito ver tudo o que eles construíram ao longo da vida", diz a caçula.

Hoje, mesmo com o passar da idade, são ativos e lúcidos. "A família sempre se reúne nos aniversários deles e são eles mesmos que pedem comemoração, não gostam de passar em branco", conta o neto. "Quando tem almoço eles vêm, descem e ficam juntos da família. Sentam e às vezes até tomam uma cervejinha! Todos naquela grande mesa e ele puxa uma oração", completa Helena.

Os dois moram sozinhos em uma casa de Viçosa, mas sempre com a companhia de outra pessoa. "A gente acorda e ele [Custódio] faz o café. A gente toma com leite, come quitanda e pão. Toma sol na garagem, vem pra sala, fica deitado e faz novena na televisão", conta sra. Cecília.

"Eles mantém a harmonia juntos. Eles acordam, passam tempo conversando, tomam banho sozinho. Tirando os medicamentos, que nós controlamos, são muito independentes", conta a filha. "Conversam muito, são lúcidos, se posicionam. Sabem bem do vírus, por exemplo", completa o neto.
 
Religiosos, gostam de frequentar missas e novenas - agora, pela televisão(foto: Arquivo Pessoal)
Religiosos, gostam de frequentar missas e novenas - agora, pela televisão (foto: Arquivo Pessoal)
  

Memórias de afeto

Ao longo desses 75 anos, o que não faltam são memórias de afeto que unem, ainda mais, o casal.

"Eu cresci em um ambiente aprendendo muito com o lado caridoso dos dois. Quando morávamos na roça, eles sempre vinham com uma garrafa de leite para nos alimentar e tinham o hábito de também dar para quem precisava", relembra Helena. "Na época não tínhamos carro, mas emprestava charrete e carro de boi para quem precisava vir na cidade".

A disciplina dos dois também serviu de exemplo para as gerações. "Quando morávamos na roça, tinha que trazer o milho, levar o fubá, cozinhar para cuidar dos porcos. Essas obrigações constantes de todo dia são coisas que me marcaram muito", narra o filho Sebastião.

"Nas sextas-feiras, pai vinha na cidade de Charrete, mas antes tinha que procurar e trazer o cavalo, pra trazer as coisas dele. Geralmente um frango, um quiabo e uma cachacinha que ele gostava de beber", conta o filho Ailton Martins.

Homenagens

Cecília e Custódio acabaram se tornando parte da história da região de Viçosa. Por isso, receberam uma moção de congratulações da Câmara Municipal da cidade, por serem "exemplo de felicidade, saúde e companheirismo".

Neste sábado (26), a partir das 19h, uma missa também será realizada em homenagem ao casal, na Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Os dois não escondem a felicidade de poder comemorar a data juntos. "Muita confiança e respeito, com filho, neto, bisneto", diz sra. Cecília.

"É fácil ser casado há 75 anos com confiança, paz e amor. Mesmo depois de tanto tempo a gente ainda respeita um ao outro. Tem amor melhor que esse?", conta sr. Custódio. 
 
* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade