Publicidade

Estado de Minas AGENDAMENTO

Mensagem de esperança marca retomada das missas na Serra da Piedade

Celebração no santuário dedicado à padroeira de Minas foi feita para 15 pessoas, cercada de protocolos sanitários. Visitas exigem reserva prévia


06/09/2020 07:00 - atualizado 06/09/2020 07:07

Quase seis meses depois da chegada da pandemia a Minas, pequeno grupo de peregrinos pôde visitar ontem o Santuário Nossa Senhora da Piedade(foto: FOTOS GLADYSTON RODRIGUES/EM/D.A PRESS)
Quase seis meses depois da chegada da pandemia a Minas, pequeno grupo de peregrinos pôde visitar ontem o Santuário Nossa Senhora da Piedade (foto: FOTOS GLADYSTON RODRIGUES/EM/D.A PRESS)

Redescoberta, passo a passo, de um patrimônio espiritual, paisagístico, histórico e ambiental. Esse é o tom da visita para o primeiro grupo de 15 pessoas que, quase seis meses depois do início da pandemia do novo coronavírus, peregrinou, na tarde de ontem, à Serra da Piedade, em Caeté, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. "É a primeira vez que venho aqui, sempre ouvi falar, realmente é tudo muito bonito", disse o psicólogo Mauro Silva, paraense residente em Brasília (DF), que assistiu à missa das 15h celebrada pelo pró-reitor para animação missionária do Santuário Nossa Senhora da Piedade, padre Antônio Carlos Silva. Mauro foi na companhia do amigo Daniel Marques, funcionário público morador de BH, para a primeira missa no local, com agendamento por telefone e pela internet, Daniel fez o cadastramento na quarta-feira. "Foi tranquilo", afirmou, pouco depois de ter a temperatura aferida na portaria.

Durante a missa, com apenas 15 cadeiras bem distantes uma da outra, o padre pediu que os presentes rezassem pelas famílias, amigos, os enfermos, os que sofrem nos hospitais com a Covid-19. "É um ano de decepções, difícil, mas a reabertura é um sinal de esperança", disse o religioso. Já o reitor do santuário, padre Wagner Calegário de Souza, explicou que foram feitos testes, durante a semana, para acolher os visitantes da melhor forma possível: "As pessoas vieram hoje aqui para ver a beleza e também encontrar um novo horizonte. Em silêncio, contemplar e ter esperança".

Eram 14h quando os visitantes, previamente cadastrados, começaram a passar pelo portão de acesso ao complexo do Santuário da Serra da Piedade, que tem duas basílicas, estando aberta apenas a ermida do século 18 – a menor basílica do mundo –, que guarda a imagem da padroeira de Minas, Nossa Senhora da Piedade, esculpida por Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738-1814). Para ingressar, seguindo as orientações do Ministério da Saúde e das autoridades sanitárias, é necessário o uso de máscara e ter a temperatura aferida logo na portaria – quem estiver com febre (superior a 37,7°C) fica impedido.

DESPEDIDA

Os irmãos Matheus Nascimento, administrador público, e Mariane Fernandes, jornalista, escolheram a reabertura da Serra da Piedade para uma "cerimônia do adeus", levando as cinzas do pai deles, João Paulo Nascimento, falecido em 8 de agosto. "Este lugar é especial para este momento", disse Matheus, ao lado da namorada Renata Rapalo, advogada. Do grupo faziam parte os familiares Aline Nascimento, Rosângela Nascimento e Rosania Fernandes. "Vir aqui é sempre fazer descobertas", afirmou Rosania, mãe de Matheus e Mariane.

Para ter acesso ao Santuário Nossa Senhora da Piedade, dedicado à padroeira de Minas e que recebia, antes da pandemia, cerca de 500 mil peregrinos, é preciso se cadastrar com antecedência pelo telefone (031 3319-6111) ou no site www.santuarionspiedade.org.br. Dessa forma, se o nome do visitante não estiver registrado na portaria, será vedada a subida à montanha.

Os religiosos usaram máscaras durante a missa, celebrada pelo padre Antônio Carlos
Os religiosos usaram máscaras durante a missa, celebrada pelo padre Antônio Carlos

Sem saber da necessidade de marcar a visita, o empresário Delamar Evangelista da Silva, morador do Bairro Santa Amélia, na Região da Pampulha, esteve na portaria e não pôde entrar. "Mas não faltará oportunidade. Vamos passear na região. Afinal, é muito tempo sem sair com a família", disse o empresário, ao lado da mulher Shirlei, dos dois filhos e da cachorrinha de estimação.

PROTOCOLOS

Dentro dos protocolos sanitários, haverá sempre álcool em gel disponível para ser usado antes, durante e após a visita, não recomendada para pessoas do grupo de risco. Conforme normas da Arquidiocese de BH, o visitante precisa acompanhar o guia durante todo o passeio e seguir suas recomendações. Para segurança de todos, no santuário não é permitido: consumir bebidas alcoólicas, fazer churrasco ou uso de fogareiro, levar qualquer animal para dentro da reserva, escalar ou subir nas pedras, caçar ou aprisionar animais, causar danos à vegetação, retirando mudas, sair das trilhas ou abrir novos caminhos e invadir a propriedade, desrespeitando a entrada principal. O santuário obedece às normas também do Instituto Estadual de Florestas (IEF) e das prefeituras de Caeté e Sabará.

E mais: é proibido ligar música em alto volume, acampar e pernoitar em carros, andar de bicicleta nas trilhas, por causa da fragilidade do solo, praticar esportes radicais e levar refeições para lanche ou piquenique. Neste período de reabertura gradual, o santuário oferece refeições no restaurante. A loja de artesanato ficará fechada a exemplo da lanchonete.
No Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade há variação de temperatura devido à altitude (1.746 metros), portanto o visitante deve levar um agasalho e usar sapatos confortáveis para aproveitar o passeio. A taxa de visitação é R$ 10,00 por pessoa (isenção para crianças abaixo de 7 anos), com o pagamento no restaurante do santuário (Espaço Dom João Resende Costa).

Fiéis, que fizeram reserva prévia, permaneceram distanciados dentro do templo
Fiéis, que fizeram reserva prévia, permaneceram distanciados dentro do templo

HISTÓRIA

Em 2020 são celebrados os 60 anos de proclamação de Nossa Senhora da Piedade como padroeira de Minas Gerais – ocorreu em 31 de julho de 1960. A oficialização foi feita pelo papa João XXIII (1881-1963), atendendo ao pedido dos bispos mineiros, entre eles o então arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Antônio dos Santos Cabral (1884-1967), e do arcebispo coadjutor e administrador apostólico, dom João Resende Costa, bem como do governador do estado, José Francisco Bias Fortes (1891-1971). Nesse processo, destacou-se também o trabalho de dom Carlos Carmello de Vasconcelos Motta (1880-1982), mais conhecido como Cardeal Motta e que hoje batiza a praça em frente da ermida.

Com altitude de 1.740 metros, a Serra da Piedade abriga histórias de fé e até política. Foi no alto, por exemplo, que o ex-presidente Tancredo Neves (1910-1985) deu início à campanha de redemocratização do país, em 1984. Em dias muito claros, é possível vislumbrar a Serra do Caraça, o espelho d’água de Lagoa Santa, toda a cidade de Caeté, com o pontilhão ferroviário, e outros municípios da RMBH. O ponto principal, sem dúvida, é a ermida que dá exatamente o clima de “pedacinho do céu” de manhã bem cedo, quando nuvens baixas tomam conta do topo da serra.

A fama do lugar teria começado entre 1765 e 1767, conforme a tradição oral, com a aparição de Nossa Senhora, com o Menino Jesus nos braços, a uma menina, muda de nascimento, cuja família vivia na comunidade de Penha, a seis quilômetros da serra. Nesse momento, a menina teria conquistado a fala. Mais tarde, em 1773, o templo seria construído pelo ermitão português Antônio da Silva, o Bracarena.

Renata, Matheus, Mariane, Aline, Rosângela e Rosania, em %u201Ccerimônia do adeus%u201D na serra
Renata, Matheus, Mariane, Aline, Rosângela e Rosania, em %u201Ccerimônia do adeus%u201D na serra


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade