Publicidade

Estado de Minas MEIO AMBIENTE

Região das trilhas Perdidas, em Nova Lima, está mais perto de se tornar área preservada

Dona de parte do terreno, Vale deu aval à iniciativa; outra proprietária AngloGold mantém conversas com o município


30/07/2020 19:18 - atualizado 30/07/2020 20:33

Região de Perdidas, em Nova Lima, é conhecida pelas diversas trilhas.(foto: Fábio Bretas)
Região de Perdidas, em Nova Lima, é conhecida pelas diversas trilhas. (foto: Fábio Bretas)
A área que abrange o Complexo de Trilhas das Perdidas, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, está a um passo de ser convertida em unidade de conservação ambiental. Nessa quarta-feira (29), a Vale, proprietária de parte do terreno, deu aval à transformação. Falta, agora, o consentimento de outra mineradora, a AngloGold Ashanti, dona da outra parcela do espaço.

As trilhas são bastante utilizadas por ciclistas que gostam de se aventurar pelo caminho de terra e admirar o verde do local. O aval da Vale foi dado em reunião do Conselho Municipal de Defesa e Conservação do Meio Ambiente (Codema) de Nova Lima.

Para o presidente do órgão e secretário de Meio Ambiente da cidade, Danilo Vieira Júnior, transformar o espaço em unidade de conservação é essencial para unir diversas áreas preservadas entre as bacias do Rio das Velhas e do Rio Paraopeba. As trilhas estão no corredor ecológico do Vale do Mutuca.

“Na bacia do Paraopeba, há muitas áreas protegidas, como o Parque do Rola-Moça. O trecho de Perdidas seria a conectividade com outras áreas de conservação, como a Serra do Gandarela”, explica. “É uma área que tem grande apreço da sociedade civil, não só pelo valor ambiental, mas pela questão turística”, diz Danilo.

A preservação de Perdidas é pauta das reuniões do Codema há cerca de um ano. Durante o processo de discussão, entidades como a ProMutucas, a Associação Mountain Bike BH, o Projeto Trilhas e Associação dos Condomínios Horizontais (ACH) defenderam a transformação do espaço em unidade de conservação.

Para Frederico Lanna, que milita nas entidades e compõe o Codema, o reconhecimento é importante para a valorizar o local de “nascimento” do mountain bike na região.

“É a trilha mais importante da Região Metropolitana. Reconhecer que, além da trilha, toda a área é relevante ambientalmente e para a prática do esporte, mostra a vocação de Nova Lima para o esporte e para o turismo”, projeta.

O que falta?


A prefeitura novalimense aguarda a sinalização positiva da AngloGold para iniciar os trâmites rumo à oficialização. Segundo o secretário de Meio Ambiente, Executivo municipal e mineradora tiveram conversas animadoras na semana passada.

“Para o município, ficaria muito complicado criar unidades de conservação indenizando as empresas pelos territórios. É uma área muito grande”, diz.

Procurada pelo Estado de Minas, a AngloGold confirmou, por meio de nota oficial, a existência de diálogos sobre a questão.

“Mantendo sempre o diálogo aberto com a comunidade e os órgãos públicos, a AngloGold Ashanti mantém conversa com o Município sobre está área, visando a compatibilidade com os projetos de interesse da empresa naquela região e as propostas de conservação”.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade