Publicidade

Estado de Minas COMPENSAÇÃO AMBIENTAL

Acordo com Vale permite investimento R$ 250 milhões em parques e saneamento

O governador Romeu Zema e os ministros Ricardo Salles (Meio ambiente) e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) anunciaram que os recursos devem ser usados em três anos


postado em 06/07/2020 13:27 / atualizado em 06/07/2020 16:15

(foto: Rede Minas/Reprodução)
(foto: Rede Minas/Reprodução)

O governador de Minas, Romeu Zema (Novo), e os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Marcelo Álvaro Antônio (Turismo) anunciaram acordo judicial realizado entre a Vale e o governo de Minas para investimento de R$ 250 milhões em parques nacionais e saneamento básico em municípios mineiros. O anúncio foi feito durante entrevista coletiva, nesta segunda-feira (6), na Cidade Administrativa.
 
O montante se refere à multa por danos ambientais decorrentes do rompimento da Mina Córrego do Feijão em Brumadinho em 25 de janeiro de 2019. Desse valor, R$ 150 milhões vão para os parques e R$ 100 milhões para projetos de saneamento e eliminação de lixões nos municípios mineiros.

Serão beneficiados com o recurso os parques Srra do Cipó, Caparaó,Sertão Veredas, Serra da Canastra, Cavernas do Peruaçu, Sempre Viva e Gandarela.

Em abril, o Governo de Minas deu início ao Programa de Concessão de Parques Estaduais para o período de 2019 a 2022.
 
Zema afirmou que os recursos serão empregados na melhoria de infraestrutura de sete parques nacionais no estado. Segundo ele, são estruturas "precárias que atendem mais ao aventureiro do que o turista".
 
Ricardo Salles disse que os projetos serão escolhidos pelo governo e a execução ficará a cargo da Vale, no prazo máximo de três anos. Ele afirmou que o acordo do rompimento em Brumadinho teve mais agilidade se comparado ao rompimento, em novembro de 2015, da Barragem do Fundão em Mariana.

"Demorou é um conceito equivocado. Mariana até hoje não trouxe resultado positivo", afirmou Salles em resposta à imprensa sobre o tempo de realização do acordo. Salles negou que os parques nacionais serão privatizados e disse que a concessão será para o gerenciamento desses espaços.
 
O ministro Marcelo Álvaro Antônio afirmou que o investimento do recurso proveniente do acordo "vai ser de suma importância para desenvolvimento do turismo nessas localidades".

Disse ainda que os projetos vão preparar os parques para ter eficiente receptivo turístico, uma forma a gerar receita e empregos no setor.
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!


Publicidade