Publicidade

Estado de Minas MP INVESTIGA

Vereador acusa Santa Casa de São João del-Rei de superfaturamento e cobrança indevida de EPI's

Segundo Cabo Zanola (PSC), o Ministério Público já apura o caso. Instituição de saúde cobrava R$ 450 a mais para cada paciente que precisava de realizar exame de imagem, de acordo com a denúncia


postado em 04/06/2020 21:47 / atualizado em 04/06/2020 23:55

Santa Casa de São João del-Rei estaria cobrando a mais para quitar equipamentos de proteção individual de funcionários(foto: Reprodução/Google Street View)
Santa Casa de São João del-Rei estaria cobrando a mais para quitar equipamentos de proteção individual de funcionários (foto: Reprodução/Google Street View)

 

Cobrança de R$ 450 a mais para cada paciente com sintomas ou confirmação de COVID-19 que orçava exames de imagem. O objetivo? Pagar os equipamentos de proteção individual para três funcionários.

 

Esse era o procedimento adotado pela Santa Casa de Misericórdia de São João del-Rei, na Região Central de Minas Gerais, em plena pandemia do novo coronavírus, segundo relatos do vereador Cabo Zanola (PSC).

 

“Muitas pessoas entraram em contato com nosso gabinete a respeito dessas denúncias. Num primeiro momento, a gente não acreditou. Mas, depois que o número aumentou, a gente passou a dar uma olhada. Para cada exame, (o paciente) teria que pagar kits (de equipamento de proteção individual) para três funcionários, o que totalizava R$ 450”, explica o vereador.

 

Diante das informações, Zanola conta que procurou um infectologista, clínicas e um hospital da cidade para saber se o procedimento estava correto. Contudo, soube que apenas a Santa Casa cobrava as taxas.

 

“O infectologista não quis se identificar, mas ele me disse que esses kits custam R$ 29. Então, também tinha superfaturamento”, afirma o vereador.

 

As cobranças, segundo o político, só se estendiam a pessoas que apresentavam sintomas gripais ou tinham confirmação para a COVID-19. “Muitas dessas pessoas são usuárias do SUS, que não podiam esperar para realizar os exames (de imagem). Até aqui, não conheço ninguém que pagou”, conta.

 

Com essas informações, Cabo Zanola protocolou junto ao Ministério Público uma representação para que a promotoria apure o caso. Isso foi feito no último dia 25 e, conforme o vereador, o MP já deu início aos trabalhos.

 

Procurado, o MP informou que foi instaurada notícia de fato sobre as denúncias. Essa é a primeira etapa da investigação.  

 

Outro lado 

 

Por meio de nota divulgada nas redes sociais, a Santa Casa de Misericórdia de São João del-Rei chamou as alegações de "falsas" e informou que "não realiza qualquer cobrança por equipamentos de proteção individual" a pacientes do SUS ou de planos de saúde.

 

"Nesse momento de incertezas que a pandemia trouxe, é fundamental que todos tenham responsabilidade na divulgação de informações", esclareceu a instituição no último dia 20.

 

A Santa Casa foi novamente procurada na noite desta quinta pelo Estado de Minas. Caso a instituição se posicione, essa matéria será atualizada.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade