Publicidade

Estado de Minas

Garoto do Vila da Serra idolatra garis de Nova Lima e sonha se tornar um

Com apenas 4 anos, Thiago Esteves tem roupa de gari e até caminhão de lixo em casa


postado em 26/05/2020 19:00 / atualizado em 26/05/2020 21:28

(foto: Arquivo Pessoal)
(foto: Arquivo Pessoal)


A maioria das crianças sonha ser jogador de futebol, dançarino, cantor, blogueiro e outras profissões que as aproximam da fama. No entanto, Thiago Esteves, de apenas 4 anos, tem outros ídolos: os garis. Três vezes por semana, ele corre para a varanda de sua casa, sobe na cadeira e acena para os profissionais que fazem a coleta de lixo do Bairro Vila da Serra, em  Nova Lima, na Grande BH.

“Ele, desde pequenino, gostava de ficar no meu colo vendo o movimento da rua. Foi crescendo e começou um amor pelo caminhão do lixo. Era só escutar o barulho, que já corria para a varanda. Cresceu mais um pouco e começou a notar os garis, e ali começou uma amizade”, conta a orgulhosa mãe Juliana Esteves.



Ela explica que os acenos aos garis sempre eram feitos de dentro de casa, já que Juliana vivia atarefada e não conseguia levar o filho para ver os coletores. Agora, na quarentena, tudo mudou: com mais tempo livre, a mãe já levou o filho algumas vezes na rua para conversar com os lixeiros. De máscara e de luva, claro.

“A primeira vez que fomos lá foi na Páscoa e aí o Thiago levou uma caixa de bombom para cada gari. O legal é que no início eles o chamavam de amigo, mas agora já sabem o nome dele. Então, todas as vezes que eles passam aqui gritam ‘oh Thiago’”, comenta.
Thiago já deu biscoito, refrigerante e caixa de bombom para os garis que coletam o lixo de sua casa(foto: Arquivo Pessoal)
Thiago já deu biscoito, refrigerante e caixa de bombom para os garis que coletam o lixo de sua casa (foto: Arquivo Pessoal)

Já na segunda vez, Thiago surpreendeu ainda mais os garis. Apareceu com uma roupa de coletor de resíduos, que ganhara de aniversário, em 26 de abril. Nas mãos, as luvas dos garis foram substituídas pelas luvas de goleiro.

Além disso, Thiago segurava uma sacola com refrigerante gelado e biscoito para os amigos. 

Devido à pandemia de COVID-19, na hora de se despedir, o garoto não pôde abraçá-los, mas a mãe garantiu que quando o “micróbio” (como Thiago chama o vírus) passar, ele poderá demonstrar todo o carinho aos garis.

Conforme dados da Prefeitura de Nova Lima, a cidade tem 197 garis. Desses, 55 trabalham na coleta domiciliar de resíduos (caminhões), 70 na varrição da rua e 72 na capina.

Conforme uma pesquisa do site salario.com.br, com base em dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), a média salarial de um gari de Nova Lima em 2019 era de R$ 1.033. 

O Estado de Minas questionou a Construtora Israel, empresa terceirizada que faz a coleta de lixo na cidade da Grande BH, sobre os vencimentos dos garis, mas ainda não recebeu resposta. 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade