Publicidade

Estado de Minas

Militar da ditadura vira réu por tentativa de genocídio contra o povo Krenak em Minas

Manoel dos Santos Pinheiro, conhecido como capitão Pinheiro, é acusado de tentar exterminar tribo indígena entre 1968 e 1973


postado em 26/03/2020 23:05

Povo Krenak, um dos mais atingidos com a tragédia de Mariana, em 2015, também sofreu nas mãos dos militares(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Povo Krenak, um dos mais atingidos com a tragédia de Mariana, em 2015, também sofreu nas mãos dos militares (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

 

Cicatrizes da ditadura militar que ainda permanecem vivas no povo brasileiro. Manoel dos Santos Pinheiro, conhecido como capitão Pinheiro, virou réu por tentativa de genocídio contra o povo Krenak, na Região do Vale do Rio Doce, em Minas Gerais. Os crimes aconteceram durante o período militar.

 

A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) recebida pela Justiça mineira consta que o capitão Pinheiro cometeu diversos crimes contra os indígenas do povo Krenak que habitavam a cidade de Resplendor (MG), entre 1968 e 1973.

 

Foi ele quem criou a Guarda Rural Indígena (Grin) e instalou um presídio chamado de Reformatório Krenak em 1969 em Resplendor.

 

O reformatório, quando criado, tinha como função garantir os direitos dos indígenas. Na prática, porém, era usado como uma espécie de campo de concentração para torturar os Krenak.

 

Em 1972, o reformatório Krenak foi extinto e os índios foram levados pela Grin para a Fazenda Guarani, situada em Carmésia, na mesma região do estado.

 

A fazenda, no entanto, também funcionou como centro de detenção arbitrária dos Krenak sob a tutela do capitão Pinheiro.

 

De acordo com o MPF, "a remoção forçada dos indígenas para a Fazenda Guarani colocou em risco a própria existência do grupo étnico Krenak, diante da importância do território tradicional para sua reprodução física e cultural".

 

Para promotoria, o militar "agiu com a intenção de destruir, no todo ou em parte, a etnia Krenak".

 

Por isso, o capitão Pinheiro vai responder por três crimes: lesão à integridade física e mental a membros de uma etnia; submeter intencionalmente o grupo a condições de existência capazes de ocasionar-lhe a destruição física total ou parcial; e adotar medidas destinadas a impedir os nascimentos no seio do grupo.


Publicidade