Publicidade

Estado de Minas

Oito militares da ditadura argentina são condenados à prisão perpétua


postado em 16/05/2011 22:16

Oito militares da ditadura argentina foram condenados nesta segunda-feira à prisão perpétua pela morte de 22 presos políticos, no que ficou conhecido pelo "Massacre de Margarita Belén", localidade da província do Chaco (norte), revelou uma fonte judicial.

O Tribunal Oral 3 de Resistencia, 1.000 km ao norte de Buenos Aires, condenou por homicídio agravado, entre outros crimes, os ex-militares Gustavo Athos, Horacio Losito, Aldo Martínez Segón, Jorge Daniel Carnero Sabol, Ricardo Guillermo Reyes, Germán Emilio Riquelme, Ernesto Jorge Simoni e Luis Alberto Patetta.

No mesmo processo, foi absolvido o ex-policial Alfredo Luis Chas, comunicou o Centro de Informação Judicial em seu site.

O "Massacre de Margarita Belén" ocorreu no dia 13 de dezembro de 1976, quando 22 jovens - homens e mulheres - foram fuzilados nos arredores desta cidade do Chaco, a caminho da penitenciária de Formosa (norte).

A versão oficial, de que o grupo foi baleado ao tentar fugir, foi desmentida por uma investigação judicial.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade