Publicidade

Estado de Minas

Suspeito de estuprar criança em troca de doces é ouvido e liberado na Grande BH

Menina contou aos policiais que era abusada há pelo menos um ano. Homem se defendeu afirmando que era amigo da família há mais de oito anos


postado em 19/02/2020 12:16 / atualizado em 19/02/2020 13:01

Caso será investigado na Delegacia de Polícia Civil de Lagoa Santa, na Grande BH(foto: Google Street View/Reprodução)
Caso será investigado na Delegacia de Polícia Civil de Lagoa Santa, na Grande BH (foto: Google Street View/Reprodução)

Foi liberado após prestar depoimento na madrugada desta quarta-feira um homem suspeito de estuprar uma criança de 8 anos em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ele foi detido na terça-feira pela Polícia Militar após a vítima dar entrada na Unidade Básica de Saúde Joana Darc se queixando de dores na genitália.

Segundo os médicos, ela apresentava sinais evidentes de violação sexual, com corrimento e sangramento vaginal. Quando a PM chegou ao local, os responsáveis pela criança disseram que ela apresentou os sintomas depois que voltou da casa de uma vizinha.

Segundo o boletim de ocorrência, a criança contou que teve relações sexuais na noite anterior com o vizinho. Segundo a vítima, o homem oferecia dinheiro ou doces para atraí-la à casa dele. Em troca, ele fazia sexo oral nela e mandava que a menina retribuísse.

De acordo com a polícia, o homem praticava os estupros há pelo menos um ano. Na noite de segunda-feira, a criança brincava na rua e ele a ofereceu um doce. Quando a menina recusou, o homem a pegou a força e cometeu o estupro.

A vítima foi transferida para o Hospital Municipal Odilon Behrens. O Conselho Tutelar foi acionado e determinou que a criança ficasse sob responsabilidade da madrinha. Segundo o órgão, a decisão serve para preservar integridade física da menina que estava em total situação de vulnerabilidade. Ela teria sido abandonada pela mãe em 2019 e estava aos cuidados do pai. 

Versão do suspeito

Apesar da versão da criança, o suspeito alegou à Polícia Militar que, além de ser vizinho, é amigo da família há mais de oito anos. Ele disse que a denúncia seria “infundada e caluniosa”.

A irmã e a sobrinha do homem acompanharam a ocorrência e defenderam o acusado. De acordo com o relatado no boletim de ocorrência, elas disseram que pode ser vítima de calúnia ou armação de pessoas envolvidas com o tráfico local.

A ocorrência foi encerrada na Delegacia de Plantão de Vespasiano, onde o suspeito prestou depoimento e foi liberado. O caso foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Lagoa Santa, onde foi instaurado um inquérito. De acordo com o delegado Flávio Rabello Teymeny, responsável pelas investigações, a vítima, os pais dela e outras testemunhas serão ouvidas a partir desta quarta-feira. 


Publicidade