Publicidade

Estado de Minas

O que você deve fazer para se proteger do coronavírus

Médico infectologista explica cuidados para evitar a infecção respiratória causada pelo vírus que teve primeiro caso suspeito registrado em Belo Horizonte


postado em 22/01/2020 16:25 / atualizado em 22/01/2020 17:48

(foto: AFP)
(foto: AFP)
O coronavírus, que já infectou mais de 300 pessoas na China, teve a primeira suspeita de contaminação em Belo Horizonte. O médico infectologista Carlos Starling, membro da Sociedade Mineira de Infectologia (SMI), explica cuidados para evitar a contaminação pelo coronavírus. Basicamente, a precaução é similar a para evitar outras doenças respiratórias, como a gripe.

Confira o que você pode fazer:  

 

  • Ficar atento a sinais de infecção respiratória grave, semelhantes a uma gripe, como tosse, febre e mal-estar de início súbito, evoluindo para uma insuficiência respiratória. Nesse caso, é preciso procurar assistência médica. 
  • Usar máscaras 
  • Lavar e higienizar com frequência as mãos, com especial atenção para antes das refeições e depois de tossir ou espirrar
  • Cobrir o nariz e a boca antes de tossir ou espirrar
  • Evitar tocar as mucosas de olhos, nariz e boca
  • Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres e copos
  • Manter os ambientes bem ventilados
  • Evitar contato direto com pessoas que apresentem sinais de infecção respiratória 

 

Além disso, o médico alerta para evitar a região onde o surto está mais forte, no caso a China. "Se, ao voltar dessa região, a pessoa apresentar esse quadro, é fundamental procurar assistência médica e informar que esteve nesses lugares", afirma.
 
(foto: AFP)
(foto: AFP)
Carlos Starling explica que o coronavírus causa quadros respiratórios sérios e com grande potencial de expansão rápida. Mesmo que a origem seja desconhecida, o médico afirma que o micro-organismo já apareceu em outros surtos.

"Não é um vírus novo. A epidemia e a rapidez da dispersão é que são novos, preocupando a própria OMS, muito em função do que vivemos em 2009, com a gripe suína, que teve início em fevereiro no México e, em seis meses, estava no mundo inteiro", explica. 


Publicidade