Publicidade

Estado de Minas

Presépio na Basílica Nossa Senhora da Piedade é convite à reflexão

Inauguração de presépio em tamanho real na Serra da Piedade, em Caeté, leva católicos a refletirem sobre a necessidade de adotar um estilo de vida mais simples


postado em 23/12/2019 06:00 / atualizado em 23/12/2019 07:19

À convite de dom Walmor, os pequenos Davi e Thiago foram os primeiros a visitar a instalação na Serra da Piedade (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
À convite de dom Walmor, os pequenos Davi e Thiago foram os primeiros a visitar a instalação na Serra da Piedade (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
Os irmãos Davi, de 6 anos, e Thiago, de 3, foram os primeiros a entrar na gruta. Ficaram alguns minutos olhando para José, Maria, o Menino Jesus e o anjo e depois saíram, em silêncio, na companhia do arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo – lá fora, no meio dos fiéis, os esperavam os pais, o mecânico Filipe Romualdo Pereira e a administradora Jéssica Botelho, residentes em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. “Gostei do Menino Jesus”, contou Davi, poucos minutos após a inauguração e bênção, pelo arcebispo, do presépio do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade – Padroeira de Minas Gerais, no alto da Serra da Piedade, em Caeté, também na região metropolitana.
“Convidei primeiro as crianças, depois todos vão entrar e visitar”, disse o arcebispo, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), às pessoas que haviam participado da missa das 8h, na antiga ermida, hoje basílica, e depois seguido em procissão até a gruta, onde se encontram agora as imagens, em tamanho natural, pesando entre 300 e 400 quilos. Para dom Walmor, a obra da artista plástica Vilma Noel, doada “por uma fiel e paisagista de BH”, vem se somar ao Cristo no Horto das Oliveiras, ao São Francisco de Assis, ao Caminho das Dores de Nossa Senhora, onde fica o presépio, e a outros atrativos, para valorizar ainda mais o patrimônio espiritual, paisagístico, ambiental e histórico da Serra da Piedade, que recebe cerca de 500 mil visitantes por ano.

Para o Natal, a mensagem do presidente da CNBB a todos os brasileiros é de esperança e confiança. “Precisamos reacender a chama da esperança no coração de todos. Só assim, com o amor de Deus, seremos capazes de continuar nosso caminho e manter, com sabedoria, o encanto pela vida.” Para o arcebispo, se o ódio dominou muitas conversas, relações e situações em 2019, o antídoto está no amor de Deus e na solidariedade. “O presépio é o símbolo”, afirmou.

Para o casal Filipe Romualdo e Jéssica, participar com os filhos da bênção do presépio foi muito importante. “Ver os meninos dentro da gruta foi um presente de Deus”, afirmou o marido. Ao lado, Jéssica lembrou que o cenário do nascimento de Jesus, no meio das pedras, representa bem a humildade em que o filho de Maria e José nasceu. Ao lado da prima Thaís Santana, de 22, advogada, moradora do Barreiro, em BH, o seminarista Guilherme Montes, de 23, comungou da ideia de que o presépio traz simplicidade e faz bem ao coração. “E valoriza a história e a cultura de Minas”, acrescentou Thaís.

FESTA 

A bênção do presépio, no alto da Serra da Piedade, contou com a presença do reitor do Santuário Basílica Nossa Senhora da Piedade, padre Fernando César do Nascimento, e do vice-reitor, padre Carlos Antônio da Silva. A inauguração, na manhã ensolarada e de temperatura agradável, já integra as celebrações do Jubileu de Diamante ou 60 anos da proclamação de Nossa Senhora da Piedade como padroeira de Minas Gerais – na ermida do século 18 fica a imagem da protetora dos mineiros esculpida pelo mestre do Barroco Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (1738-1814).

No domingo passado, houve o lançamento de um clipe com a canção Mãe da Piedade gravada por Elba Ramalho, Leo Chaves, Daniel e Denise Gomes, dando início às festividades do santuário, que vão se prolongar até 15 de setembro, dia da padroeira, com ponto alto do Jubileu de Diamante em 31 de julho – haverá uma série de atrações, “com possibilidade de um show dos quatro artistas”, informa padre Fernando César do Nascimento.

Na programação dos 60 anos está a novena do jubileu, marcada para todo dia 15 e com o convite às arquidioceses e dioceses. “Queremos que todos venham à Serra da Piedade, afinal, Nossa Senhora da Piedade é padroeira de todos os mineiros”, destaca padre Fernando. E há mais duas novidades: a inauguração de um velário (local para acender velas) que ficará perto da Basílica Estadual Nossa Senhora da Piedade – Padroeira de Minas Gerais, ex-Igreja Nova das Romarias, e a construção da estação que ficará na Praça Antônio da Silva Bracarena, antes chamada Praça da Cavalhada, que deverá ser inaugurada no segundo semestre.

A estação sinaliza a melhoria do acesso ao topo do maciço, que com os dois templos, foi chamado de “magnífica arquitetura divina” pelo segundo arcebispo de BH, dom João de Resende Costa (1910-2007). A ideia é colocar em movimento uma locomotiva, com pneus e movida a diesel, a fim de levar os romeiros da Praça Antônio da Silva Bracarena à Praça Dom Cabral, num total de 2,5 quilômetros. Para operação do novo meio de transporte estão sendo acertados os trâmites com o governo do estado.

HISTÓRIA 

A proclamação de Nossa Senhora da Piedade como padroeira de Minas Gerais ocorreu em 31 de julho de 1960, fato que motivou grande festa na Praça da Liberdade, Região Centro-Sul da capital. A oficialização foi feita pelo papa João XXIII (1881-1963), atendendo ao pedido dos bispos mineiros, entre eles o então arcebispo metropolitano de Belo Horizonte dom Antônio dos Santos Cabral (1884-1967), e do arcebispo coadjutor e administrador apostólico dom João Resende Costa, bem como do governador do estado, José Francisco Bias Fortes (1891-1971). Nesse processo, destacou-se também o trabalho de dom Carlos Carmello de Vasconcelos Motta (1880-1982), mais conhecido como Cardeal Motta, e que hoje batiza a praça em frente da ermida.


Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade