Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Após tragédias, multas ambientais batem recordes em MG. Veja valores milionários

Estado, que sofreu com as duas piores tragédias socioambientais da história do país, recolheu de mineradores R$ 170 mi em multas, e outras ainda são cobradas


postado em 11/12/2019 06:00 / atualizado em 11/12/2019 07:36

Rio Doce - 2015 // Vista do curso d'água na altura de Aimorés, no Leste de Minas, após a contaminação por rejeitos: dano se estendeu até o Oceano Atlântico(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 20/11/2015)
Rio Doce - 2015 // Vista do curso d'água na altura de Aimorés, no Leste de Minas, após a contaminação por rejeitos: dano se estendeu até o Oceano Atlântico (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 20/11/2015)


Palco das duas maiores catástrofes socioambientais da história do país, ocorridas em Mariana, em 2015, e em Brumadinho, em janeiro deste ano, Minas Gerais contabiliza a maior punição da história efetivamente cobrada do setor de mineração, com a fixação de multas milionárias que totalizam R$ 171 milhões pagos ao governo do estado. Passados quatro anos do rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, a Samarco quitou R$ 72 milhões referentes a autos de infração em que foi multada. Pelo rompimento da represa de rejeitos da Mina Córrego do Feijão, a Vale pagou R$ 99,1 milhões – na maior multa já paga à vista à Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). Outros quatro autos totalizando R$ 200 mil também foram quitados em parcela única à pasta, e R$ 200 mil estão em suspenso devido a recursos. Somadas, apenas as punições às duas empresas totalizam mais de R$ 170 milhões recolhidos aos cofres estaduais.

Os números fazem parte do balanço do Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Sisema), apresentado ontem pelo subsecretário de Tecnologia, Administração e Finanças, Diogo Melo Franco, na Cidade Administrativa. Até novembro, foram expedidos no estado 71.467 autos por infrações à legislação ambiental, mas os ligados ao setor minerário são os maiores em termos de valor – até mesmo em função do alcance dos desastres.

O valor de multas válidas aplicadas pela Semad à mineradora Samarco em razão do rompimento da barragem em Mariana – que poluiu toda a Bacia do Rio Doce, da cidade da Região Central do estado até o Oceano Atlântico – é de R$ 301,6 milhões. Uma única autuação foi de R$ 112 milhões, mas como foi feito parcelamento em 60 meses, o total foi reajustado para R$ 121 milhões. Até o momento, a Samarco quitou efetivamente 29 parcelas, totalizando R$ 72 milhões.

Rio Paraopeba - 2019 // Onda de rejeitos liberada em Brumadinho chegou ao manancial onde era captada água para a Grande BH, após rompimento de barragem(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 25/1/19)
Rio Paraopeba - 2019 // Onda de rejeitos liberada em Brumadinho chegou ao manancial onde era captada água para a Grande BH, após rompimento de barragem (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 25/1/19)


De acordo com a secretaria, no caso das multas da Vale, metade será investida em obras de ligação asfáltica entre o Parque Inhotim e o entroncamento da MG-040, atendendo a pedido do município de Brumadinho. O restante será destinado a ações estaduais de prevenção ambiental. Os valores pagos pela Samarco são destinados ao Tesouro estadual e vão compor o orçamento do Sisema, para aplicação em ações como fiscalização, regularização e gestão ambiental.

O subsecretário Diogo Melo Franco informou que 43 barragens de rejeitos de minério com método de ampliação a montante – o mais barato e também mais vulnerável – deverão ser descaracterizadas em Minas até 2023. Todas apresentaram projetos detalhando prazos e tecnologias que serão adotadas. “A barragem de Germano, em Mariana, vai levar tempo maior para ser descaracterizada para garantir a segurança”, informou, referindo-se à represa no mesmo complexo em que ocorreu o desastre da Samarco, em 2015.

Entre janeiro e outubro deste ano, o sistema de meio ambiente promoveu 452 ações de fiscalização, segundo a secretaria da área. “A sociedade entendeu que a autorregulação não é suficiente”, afirmou Anderson Aguilar, subsecretário de Regularização Ambiental, em referência à forma como o monitoramento de riscos era feito no setor de mineração – pelas próprias empresas.

Depois da tragédia em Brumadinho, em 25 de janeiro deste ano, foi sancionada em fevereiro a Lei Estadual 23.291, que instituiu a Política Estadual de Segurança de Barragens. A partir de reivindicações da sociedade civil, o Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema) tem incentivado discussões para adoção de novas tecnologias no setor de mineração, em especial para disposição do rejeito da atividade, como a filtragem, empilhamento drenado e deposição em cavas de extração já exauridas.

O rompimento da Barragem do Fundão, que arrasou o subdistrito de Bento Rodrigues, completou quatro anos em 5 de novembro. A catástrofe resultou na morte de 19 pessoas e deixou outras 362 famílias desabrigadas. Os 40 milhões de metros cúbicos de rejeitos de mineração sufocaram o Rio Doce e deixaram rastro de destruição de toda a bacia até a costa do Espírito Santo.
Já o rompimento da barragem da Mina Córrego do Feijão, em 25 de janeiro deste ano, resultou na morte comprovada de 257 vítimas, entre funcionários da Vale, terceirizados, moradores da região e turistas. Já no 320º dia de buscas, os bombeiros tentam localizar 13 pessoas ainda desaparecidas desde o rompimento da estrutura.

Unidades de conservação


A área de meio ambiente do estado anunciou concessões de 20 unidades de conservação em Minas. Segundo o diretor-geral do Instituto Estadual de Florestas, Antônio Malard, a área corresponde a 1% de toda extensão aberta ao uso público. 
O secretário acredita que, ao passar a concessão de uso para o setor privado, haverá otimização dos parques, com aumento no número de visitantes. A meta é que as concessões sejam feitas até o ano que vem.

Até fevereiro, será feita consulta pública para a concessão da Rota Lund, que inclui a gruta Rei do Mato, em Sete Lagoas, na Região Central do estado, e do Parque do Sumidouro, em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo Malard, a concessão prevê apenas o gerenciamento do turismo, ficando a fiscalização e a conservação a cargo do Instituto Estadual de Florestas (IEF). 

Também deverão ter a concessão de uso repassada à iniciativa privada os parques do Ibitipoca, entre Lima Duarte e Santa Rita do Ibitipoca, na Zona da Mata; do Rio Doce, entre Dionísio, Marliéria e Timóteo, no Vale do Rio Doce; e do Rola Moça, entre Belo Horizonte, Brumadinho, Nova Lima e Ibirité, na Grande BH.


Publicidade