Publicidade

Estado de Minas

Passageiro ferido em queda de avião no Caiçara deixa o Hospital João XXIII

Thiago Funghi Alberto Torres, de 32 anos, ficou 51 dias internado. Já Srrael Campras dos Santos, de 33, que também ficou ferido na tragédia, foi transferido de hospital


postado em 10/12/2019 21:48 / atualizado em 10/12/2019 21:58

Avião caiu no Bairro Caiçara em outubro deste ano(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Avião caiu no Bairro Caiçara em outubro deste ano (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)

Depois de 51 dias internado, um dos tripulantes do avião que caiu no Bairro Caiçara, na Região Noroeste de Belo Horizonte, em 21 de outubro, deixou o hospital. Thiago Funghi Alberto Torres, de 32 anos, recebeu alta do Hospital João XXIII nesta terça-feira. Segundo a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), a outra vítima da tragédia, Srrael Campras dos Santos, de 33, foi transferido para outra unidade de saúde. Thiago teve 32% de seu corpo queimado no acidente. Já Srrael, teve 55%.

A aeronave caiu sobre carros na manhã de 21 de outubro. A queda da aeronave ocorreu na Rua Minerva, no trecho situado entre as ruas Nadir e Rosinha Sigaud.  O avião de pequeno porte modelo SR 20 Cirrus Design havia acabado de decolar do Aeroporto Carlos Prates, tripulado pelo piloto e três passageiros.

Um tripulante e dois pintores que estavam dentro de um carro parado na Rua Minerva morreram na hora. No dia posterior, Allan Duarte, piloto da aeronave, também perdeu a vida.

Mudança da rota


Sob a pressão da queda de dois aviões que decolaram do Aeroporto Carlos Prates  em um intervalo de seis meses, a Infraero, que gerencia o terminal, e o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), órgão ligado à Força Aérea Brasileira, estudam mudar a rota de voos que partem do local.

A proposta foi apresentada pela administração do terminal, durante visita técnica de vereadores e moradores. Um mês depois do último desastre que matou quatro pessoas e deixou dois feridos, no vizinho Bairro Caiçara, a população ainda aguarda laudo sobre o motivo da queda e respostas de órgãos oficiais para afastar o perigo da região.


Publicidade