Publicidade

Estado de Minas

Ação contra pichação e dano ao patrimônio acaba com um preso em área nobre de BH

Outras duas pessoas foram presas na operação. Todos vão responder pelos crimes de associação criminosa, dano e pichação


postado em 27/09/2019 18:21 / atualizado em 27/09/2019 18:40

Mandados foram cumpridos em BH e Esmeraldas(foto: Polícia Civil/Divulgação)
Mandados foram cumpridos em BH e Esmeraldas (foto: Polícia Civil/Divulgação)

Mais uma fase da operação “Muro Limpo” foi desencadeada pela Polícia Civil nesta sexta-feira. Mandados de busca e apreensão e de prisão foram cumpridos em Belo Horizonte e Esmeraldas, na Grande BH. Três pessoas foram presos e diversos materiais, como documentos, e celulares foram apreendidos. Um dos alvos foi encontrado em um apartamento em uma área nobre da capital mineira.

As investigações tiveram início no final do ano de 2018, após o muro da Diretoria de Transportes da Polícia Civil de Minas Gerais ter sido alvo de pichações que provocaram dano patrimonial e ambiental. Segundo a Polícia Civil, o valor do prejuízo foi superior a R$ 600 mil. Outras pichações contra o patrimônio público e privado foram mapeadas durante as apurações.

De acordo com o Delegado do Departamento Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), Eduardo Vieira Figueiredo, os suspeitos presos nesta sexta-feira responderão por  associação criminosa, dano e pichação.

“Percebemos que essa modalidade criminosa está presente tanto em classes sociais mais baixas, como também naquelas de alto padrão, a exemplo de um dos presos na operação, que reside em uma cobertura de alto luxo localizada em zona nobre da capital”, pontuou.

Segundo o delegado, “uma investigação qualificada, como a que está sendo realizada, possibilita uma repressão cirúrgica que fatalmente irá impactar na sensação de punibilidade”.

A operação foi realizada pelo Departamento Estadual de Investigação de Crimes contra o Meio Ambiente (Dema) e teve o apoio de policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core), de drones da Coordenação Aerotática (CAT) e da Guarda Municipal de Belo Horizonte (GMBH).

Fases anteriores


Outras duas fases da operação foram realizadas anteriormente. Elas resultaram no cumprimento de 13 mandados de busca e apreensão. Nas ações, foram apreendidos sprays, latas de tintas, anotações contendo pichações dos suspeitos, aparelhos celulares, instrumentos para rapel, vestimentas com siglas das associações criminosas investigadas e outros materiais relacionados à prática dos delitos.


Publicidade