Publicidade

Estado de Minas

Operação contra furto de fios de cobre prende quatro em BH

Prefeitura teve R$ 100 mil de prejuízo com substituição dos cabos


postado em 26/09/2019 16:34 / atualizado em 26/09/2019 18:08

(foto: Polícia Civil/Divulgação)
(foto: Polícia Civil/Divulgação)

Quatro homens foram presos em flagrante por receptação de fios de cobre furtados na manhã desta quinta-feira. Eles são donos de ferro-velho em Belo Horizonte e da Região Metropolitana. Meia tonelada de fios usados por empresas de telefonia e na rede elétrica foi apreendida. Outro suspeito é procurado pela polícia. A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) já gastou R$ 100 mil com a substituição de fios de semáforos furtados.

Os resultados da operação “Choque de Ordem II” foram apresentados em coletiva de imprensa. Nesta manhã, foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão em estabelecimentos e residências de suspeitos de receptação.

Um dos presos, que tem 62 anos, possui nove passagens na polícia. Ele mantinha uma loja de ferro-velho no Bairro Carlos Prates, na Região Noroeste de Belo Horizonte. Os outros três foram presos na Pampulha, em Contagem e em Betim.

A corporação ressalta a importância da prisão dos receptadores. Isso porque quem comete o crime, normalmente, é morador em situação de rua ou usuário de droga. "A gente verifica um grande ciclo criminal. Quem pratica o crime, geralmente, são pessoas em situação de vulnerabilidade social, ou seja, moradores de rua e usuários de drogas. Eles colocam a vida em risco e vendem para receptadores. E, com esse dinheiro acabam alimentando o tráfico de droga", disse o delegado Wagner Sales. 

Portanto, os próprios autores do furto ganham muito pouco. "São os receptadores que lucram com esse comércio ilegal", acrescentou. 
 
As autoridades explicam que os cabos dos samáforos da Avenida Antônio Carlos e da Avenida Cristiano Machado são os mais visados pelos ladrões. Depois que o cabo é roubado, ele é vendido para os receptadores. Logo, são derretidos e se tornam matéria prima para novos cabos. 

Também participam da operação fiscais da Receita Estadual, Guarda Municipal, servidores da Prefeitura de Belo Horizonte, funcionários da Cemig, CBTU e de empresas de telefonia.

(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A. Press)


Publicidade