Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas METEOROLOGIA

Piscininha, que nada: de volta, a chuva deve ir até domingo. Mais calor, só na 2ª

Retorno das precipitações em uma BH que foi castigada pela estiagem por mais de 100 dias alivia secura do ar, mas instabilidade vai até o fim de semana


postado em 26/09/2019 06:00 / atualizado em 26/09/2019 07:47

Capital amanheceu nublada, com temperaturas em queda e sensação térmica que chegou a três graus. Instabilidade vai até domingo. Na semana que vem, tendência é de mais calor(foto: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)
Capital amanheceu nublada, com temperaturas em queda e sensação térmica que chegou a três graus. Instabilidade vai até domingo. Na semana que vem, tendência é de mais calor (foto: Jair Amaral/EM/D.A PRESS)

Após 112 dias de estiagem severa e muitos altos e baixos – temperaturas máximas batendo recorde e quedas vertiginosas na umidade relativa do ar, seguida de termômetros despencando –, os belo-horizontinos tiveram, ontem, terceiro dia da primavera, um refresco para respirar melhor, trabalhar mais tranquilos e caminhar pelas ruas sem suar em bicas. A chuva chegou à cidade acentuando a baixa de temperatura e acenando com a possibilidade de fim dos incêndios que deixaram o ar quase irrespirável e matas em cinzas. De terça para ontem, a temperatura caiu 7 graus. E, para quem estava ansioso pelo tempo chuvoso, um aviso: vem mais por aí.

Conforme especialistas do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet)/5º Disme em BH, a precipitação e o vento favoreceram a sensação de frio, tanto que, além dos guarda-chuvas e sombrinhas, os casacos, moletons de capuz e gorros coloridos saíram do armário para desfilar pelas ruas. “Nos pontos mais altos da capital, as rajadas de vento ficaram fortes, diminuindo a sensação térmica”, explicou o meteorologista Claudemir Azevedo.

Ainda segundo ele, a chuva que atinge pontos da Região Metropolitana de Belo Horizonte decorre da intensificação de áreas de instabilidade localizada sobre o estado, e deverá se intensificar entre hoje e amanhã. Segundo a meteorologia, a previsão é de que o tempo fique instável até domingo. Mas, para quem gosta de dias nublados e mais frios, um aviso: aproveite. Na semana que vem, a tendência é de que a chuva vá embora e a temperatura volte a subir, configurando uma “primavera quente”.

Para hoje até 8h, a Defesa Civil de Belo Horizonte emitiu um aleta sobre a possibilidade de chuvas de 20 a 40 milímetros, com raios e rajadas de vento. Conforme o órgão, não chovia significativamente em BH desde 4 de junho. Em algumas regiões da cidade, a exemplo de Venda Nova e Barreiro, os moradores não viram uma gota de água, prolongando a estiagem. Mas há um alívio para a cidade: às 16h20, a umidade relativa do ar teve registro de 70%, bem diferente do clima de deserto verificado na semana passado, quando a taxa chegou aos 12%.

“Esse tempo é terrível para deixar a gente gripada, doente. Então, de agora em diante, faço o seguinte: sombrinha e blusa na bolsa, independentemente do tempo que estiver lá fora. Pode estar o maior 'solão' que saio protegida, pois nunca se sabe o que virá no fim da tarde”, disse a vendedora de uma loja na região da Savassi, na capital, que mora na Região Norte e sai de casa de manhã bem cedo.

QUEDA


o início da manhã, a temperatura nos pontos mais altos de BH chegou a 13,1 graus, com sensação térmica de 3 graus. Por volta das 14h, quando a temperatura costuma estar elevada, a temperatura no Bairro Belvedere, na Região Centro-Sul, estava em 15 graus, e os moradores sentiam um frio de 4 graus. Na capital, os termômetros não ultrapassaram 21,1 graus. O resultado da máxima temperatura representa uma queda de 7 graus em relação à de terça-feira, quando os termômetros marcaram até 28,1 graus.

Por volta das 8h30 de ontem, chovia na Região da Pampulha e em bairros como Caiçara e Dom Cabral (Região Noroeste), Buritis (Oeste), Sion e Anchieta (Centro-Sul). Conforme o Inmet, não chovia de forma significativa na capital desde 23 de agosto, quando houve granizo em algumas partes da capital. “O que provoca chuva no Sudeste do país é o 'cavado', sistema de circulação dos ventos na atmosfera que aumenta a nebulosidade. Não é frente fria. De hoje a domingo, pode ocorrer chuva em todo o estado devido a esse sistema”, explicou o meteorologista Cléber Souza.

As chuvas mais intensas em BH devem ocorrer hoje. A temperatura também começa a cair com a cobertura de nuvens. A máxima não deverá passar dos 24°C. Já no interior mineiro a chuva começou nas regiões Sul e Campo das Vertentes, onde houve registro de 30 milímetros de precipitação. Ainda hoje pode chover nas regiões do Triângulo, Oeste, Campo das Vertentes, Zona da Mata e municípios da Grande BH. A tendência é de que o sistema melhore a qualidade do ar até domingo. Daí em diante, volta o calor, diz o meteorologista.

* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie 


Publicidade