Publicidade

Estado de Minas

Estudante de engenharia é suspeito de estuprar colega dentro de faculdade de BH

Vítima, que é autista, denunciou o caso na noite dessa quarta-feira. O homem ainda não foi encontrado pela polícia


postado em 19/09/2019 15:21 / atualizado em 19/09/2019 22:23

(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)
(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press)

Imagens de câmeras de segurança poderão ajudar a polícia a investigar a denúncia de estupro dentro da Faculdade Pitágoras, em Belo Horizonte. Uma estudante, de 19 anos, portadora de autismo, afirmou que foi levada para uma sala vazia por um outro aluno e lá beijada à força e obrigada a fazer sexo oral. A Polícia Militar (PM) fez buscas pelo homem, de 35, mas ele não foi encontrado. A instituição de ensino informou que o autor foi desligado da faculdade.

O crime aconteceu por volta das 20h dessa quarta-feira, na unidade Pampulha da faculdade. Segundo o boletim de ocorrência, a jovem afirmou que estava caminhando pelo pátio da instituição, quando foi abordada pelo homem, que é estudante de engenharia de produção. Na versão da vítima, ele pediu o número do telefone celular dela e depois a chamou para “dar um perdido”.

A garota contou aos militares, que foi levada pelas mãos até o corredor da biblioteca. Depois, ele a levou até o segundo andar, onde, nos fundos de um dos corredores, encontraram uma sala vazia. A jovem afirma que ele pediu para ela entrar. Em seguida, apagou a luz e a beijou à força, mesmo ela dizendo que era portadora de autismo.

Segundo informações que constam no boletim de ocorrência, nesse momento, a jovem empurrou o homem, que a pegou pelo cabelo e a assentou em uma mesa. Na sequência, de acordo com o documento, ele abriu a calça e obrigou a vítima a fazer sexo oral nele. Por duas vezes, o autor teria perguntado a garota se ela estava gostando.

O homem falou, ainda, para eles se encontrarem novamente. Nesse momento, a menina disse que concordou com o novo encontro para que ele parasse a violência. Em seguida, saíram da sala e voltaram para o primeiro andar. Dali, o estudante saiu.

Buscas pelo autor


De acordo com a PM, a jovem ligou para uma amiga que se deslocou para a faculdade. As duas foram até o coordenador e denunciaram o caso, em seguida, acionaram a polícia. Quando os militares chegaram na faculdade, o estudante já não estava no local. Ele entrou em contato com a menina, por meio do WhatsApp, pedindo para adicioná-lo aos contatos.

Em posse das mensagens, os policiais foram até a coordenação do curso e conseguiram os dados do estudante. Eles seguiram até o endereço registrado na faculdade, mas o homem não estava lá. Um morador da casa, segundo a PM, afirmou que ele não mora mais no local.

A vítima foi levada para o Hospital Odilon Behrens para realizar exames. Ela ficou sob a responsabilidade de familiares.

Posicionamento da Faculdade


Por meio de nota, a Faculdade Pitágoras repudiou o ato de violência contra a mulher e informou que  prestou auxílio à aluna. “A Faculdade Pitágoras de Belo Horizonte (MG) esclarece que repudia veementemente qualquer ato de violência contra a mulher e lamenta o ocorrido dentro de suas instalações. A instituição informa que imediatamente prestou todo o suporte à aluna e a acompanhou para o registro do Boletim de Ocorrência. A faculdade esclarece ainda que o aluno já foi desligado e que está contribuindo com todas as investigações para a resolução do caso. A instituição reitera que está à disposição para sanar quaisquer dúvidas adicionais”, afirmou.

O Estado de Minas entrou em contato com a Polícia Civil e aguarda um posicionamento.

 


Publicidade