Publicidade

Estado de Minas

Cadela que atuou nas buscas em Brumadinho morre após ter filhotes em Goiás

Vênus tinha 6 anos e atuou na área do desastre por duas vezes. Ela teve três filhotes, que foram acolhidos por outra cadela da corporação


postado em 24/07/2019 11:54 / atualizado em 24/07/2019 12:54

Vênus começou a fazer buscas aos 11 meses e até ajudou a desvendar um crime, segundo os bombeiros(foto: Corpo de Bombeiros de Goiás/Divulgação)
Vênus começou a fazer buscas aos 11 meses e até ajudou a desvendar um crime, segundo os bombeiros (foto: Corpo de Bombeiros de Goiás/Divulgação)


A equipe do Corpo de Bombeiros de Goiás que atuou nas buscas às vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte, sofreu uma baixa no início desta semana. A cadela Vênus, de seis anos, que auxiliava os militares, morreu ao parir três filhotes nessa segunda-feira. Os animaizinhos foram acolhidos por outra cadela da corporação. Os bombeiros divulgaram uma nota lamentando a perda. 

Ver galeria . 12 Fotos O Corpo de Bombeiros de Goiás comunicou a morte da cadela Vênus, de 6 anos, que atuou nas buscas em Brumadinho. Ela morreu após ter três filhotes na última segunda-feira. Eles foram acolhidos por Hannah, uma Husky da corporação. Vênus começou a acompanhar os militares nas missões aos 11 mesesCorpo de Bombeiros/Divulgação
O Corpo de Bombeiros de Goiás comunicou a morte da cadela Vênus, de 6 anos, que atuou nas buscas em Brumadinho. Ela morreu após ter três filhotes na última segunda-feira. Eles foram acolhidos por Hannah, uma Husky da corporação. Vênus começou a acompanhar os militares nas missões aos 11 meses (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )


Vênus era da raça labrador começou a trabalhar com os bombeiros aos 11 meses. Quando completou 1 ano, ela cumpriu sua primeira missão, encontrando um corpo durante uma ocorrência no Bairro Santa Luzia, em Goiânia. Em outro caso, encontrou outro corpo com apenas 10 minutos de busca, no Bairro Jardim Botânico. Ela também foi treinada para buscas de seres vivos e recebeu certificação nacional. “Em 2016, teve sua melhor ocorrência até então: desvendou um assassinato, em Lagoa Santa (GO), encontrando uma vítima enterrada em um fosso de 15 metros de profundidade”, diz a nota do Corpo de Bombeiros. 



Os militares de Goiás começaram a atuar em Brumadinho pouco depois do rompimento da barragem, que até o momento tem 248 mortes confirmadas. Amanhã, o desastre completa seis meses. “Em Brumadinho, ela foi conduzida pelo Cabo Veloso, e atuou por dez dias, em fevereiro. Em 10 de abril, voltou a Minas Gerais para trabalhar por mais 15 dias para atuar na fase mais técnica da tragédia”, informaram os militares. A cadela não atuou durante a gestação.

FILHOTES Na segunda-feira, ela precisou passar por uma cesariana para ter os filhotes e fez uma castração no Hospital Veterinário da Universidade Federal de Goiás (UFG). No entanto, Vênus teve uma hemorragia interna. Os veterinários do tentaram reverter o quadro, mas ela acabou morrendo. “Vênus foi um dos cães que mais se destacou no árduo trabalho. É com pesar que O CBMGO comunica o falecimento do animal”, publicou a corporação. 

Os filhotes de Vênus estão sendo amamentados pela cadela Hannah, que também é da corporação e teve uma ninhada recentemente(foto: Corpo de Bombeiros de Goiás/Divulgação)
Os filhotes de Vênus estão sendo amamentados pela cadela Hannah, que também é da corporação e teve uma ninhada recentemente (foto: Corpo de Bombeiros de Goiás/Divulgação)


Vênus deixou duas fêmeas e um macho, que foram aceitos por Hannah, uma husky da corporação que teve oito filhotes recentemente e se tornou ama-de-leite deles. O Corpo de Bombeiros explicou que depois de dois ou seis meses, os filhotes serão avaliados e, caso não estejam aptos a participar das ocorrências, podem ser doados. 



O cabo Diêgo Wanderley Vieira, cuidador de Vênus, publicou uma mensagem emocionada em suas redes sociais para falar sobre a morte da cadela. “Vênus tinha esse nome porque a doçura e a coragem que ela carregava só poderia ser comparada ao tamanho de um planeta. Viu coisas que chega dar nó na garganta e arrepiar o pensar. Mas o olhar dela, a, aquele olhar... continuava cheio de amor por quem a cercava, com o se acreditasse que a humanidade ainda tivesse jeito. Vênus deu a vida e se foi. Mas deixou seu rastro de bravura pra provar que animais são mais. Mais sagazes, mais coragem, mais ternura. São capazes de enxergar amor até onde não há. Cuidem, eles sentem tudo”, escreveu o bombeiro. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade