Publicidade

Estado de Minas

Em nova ocorrência, PRF apreende mais de 120 tabletes de maconha no Triângulo

Droga estava em carro dirigido por mulher de 57 anos. Ela receberia cerca de R$ 6 mil para transportar a droga


postado em 01/07/2019 22:53

 

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 123 tabletes de maconha no Km 77 da BR-050 nesta segunda-feira (1º), em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. A operação aconteceu por volta das 18h30.


Segundo a PRF, a droga estava no interior de um carro modelo Citroen Picasso. Durante a abordagem dos militares, que aconteceu por conta de um defeito no sistema de iluminação do veículo, a motorista de 57 anos apresentou sinais de nervosismo.

 

Total da droga apreendida pela PRF nesta segunda, na BR-050(foto: Divulgação/PRF)
Total da droga apreendida pela PRF nesta segunda, na BR-050 (foto: Divulgação/PRF)
 


Ao ser questionada, a mulher disse que iria de Campo Grande para Campo Alegre de Goiás (GO) para entregar uma doação de brinquedos, roupas e utensílios de cozinha, conforme a PRF. No entanto, durante a fiscalização, a PRF chegou até o produto ilícito.


De acordo com a corporação, a droga estava em toda a extensão do assoalho do painel, nas laterais dianteira e traseira e nos encostos dos bancos. Ainda segundo a polícia, a suspeita admitiu que transportava maconha e disse que receberia R$ 6 mil pelo frete ilegal.


A detida foi encaminhada para a delegacia de plantão de Uberlândia.


Rota preferida


Conforme mostrou o Estado de Minas na edição desta segunda-feira (1º), levantamentos da PRF no estado indicam o destaque de duas rotas em relação à maconha e à cocaína. Normalmente, os entorpecentes passam pelo Triângulo Mineiro nos transportes de grandes quantidades.


Em volumes menores, há uma rota importante que usa ônibus de viagem entre o estado de São Paulo e o Nordeste do Brasil.


Segundo números da corporação, mais de 16,5 toneladas de maconha já foram apreendidas neste ano em Minas. Para efeito de comparação, em 2018 inteiro, a PRF tirou de circulação 14 toneladas da mesma droga.


A corporação atribui o aumento a uma série de ações, que, juntas, tem deixado o trabalho de fiscalização em busca de drogas mais efetivo. A intensificação do uso de cães farejadores, o investimento em especialização e qualificação dos policiais e a criação do chamado Grupo de Policiamento Tático (GPT) em diferentes delegacias da PRF no estado são exemplos que contribuem para o resultado.


Além disso, o uso mais intenso da inteligência ajuda bastante, na avaliação do inspetor Aristides Júnior, chefe do Núcleo de Comunicação Social da PRF em Minas. “Por sermos uma polícia federal, temos a facilidade de trocar informações com todas as nossas unidades do país. Aí entra nossa área de inteligência, que faz esse trabalho de intercâmbio não só entre a agentes da própria PRF nos estados, mas também com outras forças policiais”, afirma.

 

Com informações de Guilherme Paranaiba 


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade