Publicidade

Estado de Minas

Mariana: universidades mineiras vão ajudar na recuperação de áreas impactadas

Ao todo, foram disponibilizados R$ 5,6 milhões para 15 projetos de pesquisa com duração de até dois anos


postado em 14/06/2019 18:29 / atualizado em 14/06/2019 20:09

Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, atingido pelo rompimento de barragem de rejeitos da mineradora Samarco(foto: Antonio Cruz/ Arquivo Agência Brasil)
Distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, atingido pelo rompimento de barragem de rejeitos da mineradora Samarco (foto: Antonio Cruz/ Arquivo Agência Brasil)
Quatro universidades mineiras foram selecionadas para pesquisar soluções para a recuperação das áreas impactadas pelo rompimento da barragem do Fundão, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais. Ao todo, foram disponibilizados R$ 5,6 milhões para 15 projetos de pesquisa com duração de até dois anos.
 
A iniciativa é da Fundação Renova, entidade criada pelas três mineradora donas da barragem para recuperar e reparar os impactos gerados na região. Os projetos foram separados em cinco eixos: Educação e Cultura; Memória Histórica, Cultural e Artística; Monitoramento de Ecossistemas; Uso da água; Uso Sustentável da Terra e Manejo de Rejeitos.
 
No total, foram recebidas cerca de 40 propostas e, dos 15 projetos selecionados, 13 são provenientes de instituições mineiras, sendo elas as universidades federais de Minas Gerais (UFMG), de Viçosa (UFV), de Ouro Preto (UFOP) e Lavras (UFLA). 

Além das universidades mineiras, também foram selecionadas duas instituições do Espírito Santo - Centro de Ciências Exatas, Naturais e da Saúde (UFFES/CCENS) e a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

De acordo com a Fundação Renova, as iniciativas têm o objetivo de monitorar e gerar soluções inovadoras para as ações de reparação, uma contribuição fundamental do meio acadêmico nesse processo. Os projetos aprovados foram os que mais promoveram o desenvolvimento sustentável.
 
Em novembro de 2015, a estrutura - de propriedade da Samarco, BHP Billiton e Vale - se rompeu deixando, ao todo, 19 mortos e o distrito de Bento Rodrigues totalmente destruído pela lama.

 

Confira abaixo os projetos: 
 

Universidade Federal de Viçosa (UFV):

* Enredeando Saberes: implantação de uma rede de conhecimento e cooperação entre pesquisas, pesquisadores, alunos e moradores da Bacia do Rio Doce  - R$ 147.343,63 
 
*Sistema de monitoramento da turbidez da água do Gualaxo do Norte por meio de Sensoriamento Remoto - R$ 399.145,88

*Desenvolvimento de matriz sustentável de produção para a cadeia de leite e derivados nas regiões do Alto Rio Doce e Governador Valadares -R$ 228.411,62

*Avaliação e testes de associação simbiótica entre espécies nativas com fungos e bactérias FBN nas áreas de nascentes, Áreas de Preservação Permanente (APPs) e áreas de recarga hídrica ao longo da Bacia do Rio Doce - R$ 442.545,60

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG):
 
* A possibilidade e limites da educação escolar no processo de reconstrução das áreas campesinas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão - R$ 577.148,18
 
* Face Lab: Oficinas de Gestão de Projetos, Empreendedorismo e Inovação para o desenvolvimento de lideranças jovens e competências para o futuro - R$ 144.974,24

* Uso sustentável do rejeito sedimentado da Bacia do Rio Doce no desenvolvimento de componentes para construção civil - R$ 516.092,7

* Componentes do biocrust e suas interações em solos impactados pelo rompimento da barragem de Fundão: métodos e estratégias para a aceleração da restauração florestal  - R$ 394.848,52

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

* Cartografias histórico- sensoriais de Bento Rodrigues, Paracatu de Baixo e Gesteira - R$ 135.244,54

* Utilização sustentável do rejeito de barragem de minério de ferro para fabricação artesanal de tijolos de Adobe aplicados à construção de moradias - R$ 318.934,35

* Tecnologias sociais inovadoras para recuperação de áreas degradadas pela mineração - Rompimento da barragem de Fundão em Mariana, Minas Gerais - R$ 480.216,93

Universidade Federal de Lavras (UFLA)

* Aplicabilidade do rejeito de mineração para a produção de materiais construtivos: Efeito da incorporação de material lignocelulósico e baba de cupim sintética nas propriedades do adobe - R$ 237.075,64

* Ciência e tecnologia para recuperação ambiental da Bacia do Rio Doce: métodos, estratégias e indicadores de restauração de ecossistemas florestais - R$ 434.830,03 

*Estagiário sob supervisão da redação do Estado de Minas


Publicidade