Publicidade

Estado de Minas

Contagem confirma o 6º caso de febre maculosa; notificações chegam a 54

A Prefeitura segue com o banho de carrapaticida nos cavalos de carroceiros. Dois ecopontos oferecem o serviço


postado em 14/06/2019 10:25 / atualizado em 14/06/2019 10:43

Funcionários da Prefeitura de Contagem espalham cal no terreno da Rua Primeiro de Maio, no Bairro Nacional, onde o contágio teve início(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA PRESS)
Funcionários da Prefeitura de Contagem espalham cal no terreno da Rua Primeiro de Maio, no Bairro Nacional, onde o contágio teve início (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA PRESS)
A Secretaria Municipal de Contagem informou, nesta sexta-feira (14), que foram confirmados seis casos de febre maculosa no município. Ao todo, são 54 notificações. O número de casos fez com que o Ministério da Saúde e as secretarias de Saúde de Contagem e do Estado realizem pesquisas epidemiológicas na região.

Os agentes de zoonoses realizam a aplicação de veneno nas casas da rua Primeiro de Maio. É a terceira fase da dedetização. Ao todo serão realizados quatro ciclos. Depois de avaliações técnicas sobre a incidência de carrapato na rua, a Defesa Civil também vai liberar a rua, interditada desde o dia 4 de junho.

A Prefeitura de Contagem deve terminar o processo de aragem da terra e aplicação de cal em terreno onde houve a infestação. A ação foi realizada ao longo dos últimos dez dias. A Prefeitura continua dando banho de carrapaticida nos cavalos de carroceiros da regional Nacional. Dois ecopontos oferecem o serviço.  Os banhos devem ser realizados a cada 15 dias. O trabalho deve ser ofertado até agosto. Mais de 50 carroceiros já foram contemplados. 

A prefeitura faz um alerta para que as pessoas não hostilizem os carroceiros nem maltratem os animais. Os cavalos são importantes para que não haja infestação de carrapatos. O banho de carrapaticida elimina os parasitas. O carrapato-estrela adquire a bactéria, causadora da febre maculosa, apenas de capivaras. Cavalos, cães, gatos e aves são hospedeiros do parasita e não amplificadores da doença.


Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade