Publicidade

Estado de Minas

PBH promete investir R$ 215 milhões na reconstrução e reforma de centros de saúde

Prefeitura anuncia para dezembro a abertura do primeiro dos 40 postos que serão reconstruídos na capital até 2021


postado em 14/06/2019 06:00 / atualizado em 14/06/2019 09:07

Prefeito Alexandre Kalil esteve ontem na área onde está sendo erguido novo posto e destacou tecnologia que permite acelerar trabalhos(foto: Juarez Rodrigues/EM/DA Press)
Prefeito Alexandre Kalil esteve ontem na área onde está sendo erguido novo posto e destacou tecnologia que permite acelerar trabalhos (foto: Juarez Rodrigues/EM/DA Press)

Quarenta centros de saúde reconstruídos e 112 reformados em Belo Horizonte até 2021. Essa é a promessa da Prefeitura de Belo Horizonte, com investimento de R$ 215 milhões com o objetivo de melhorar a infraestrutura de atendimento básico na cidade. Nesse calendário, a nova sede do Centro de Saúde Cabana, no Bairro Cabana do Pai Tomaz, na Região Oeste da capital, deve ser a primeira a ser entregue, com previsão para dezembro. A população aguarda ansiosamente a reabertura já que, atualmente, o atendimento é feito em um prédio pequeno, improvisado e de acessibilidade precária. 

"Serão 40 centros reconstruídos e este é o primeiro. Pretendemos entregar um a cada três meses. Não haverá um aumento (no número de unidades de saúde), mas sim a substituição de equipamentos que não têm mais condição de uso", disse o prefeito Alexandre Kalil, ontem, na obra. As intervenções devem dar prioridade aos equipamentos aptos a incrementar a oferta de serviços nos próximos anos, ampliando o atendimento a pessoas em situação de vulnerabilidade social. As novas unidades contarão com recepção, áreas administrativas, de zoonoses, farmácia, salas de coleta, vacina, observação, higienização e curativos, além de consultórios de equipes de Saúde da Família, saúde bucal e saúde mental. As construções terão áreas 100% acessíveis a pessoas com mobilidade reduzida. 

A tecnologia é considerada aliada na rapidez na construção das unidades, que são erguidas em conceito chamado “steel frame” – sistema construtivo industrializado, formado por estruturas de perfis de aço galvanizado. O fechamento é feito por placas, que podem ser de materiais diversos. 

PAI TOMAZ
No primeiro posto a abrir as portas, as obras começaram em abril e devem ser finalizadas em dezembro. “Já pronto para atendimento”, disse o secretário municipal de Saúde, Jackson Machado. Cerca de 20 mil moradores da região devem ser beneficiados. “Vim aqui durante a campanha e falei que ia fazer o centro de saúde, que foi derrubado inexplicavelmente. Hoje, a população daqui é muito mal atendida”, disse Kalil. Há dois anos os moradores são atendidos quarteirões abaixo, em uma casa de três andares que funciona de forma improvisada. 

O pedreiro William Oliveira, de 52 anos, reclama da condição atual do posto e espera ansiosamente que a obra seja entregue. "Sou diabético e subir e descer as escadas aqui, com minha perna do jeito que está, é muito difícil. Vi que a nova obra tem elevador, o que será um alívio pra mim", comentou ele, queixando-se de falta de pessoal e da demora no atendimento. Maria José de Sousa, de 58, concorda: “Moro há 23 anos aqui na região. O posto improvisado está bem ruim. Esperamos que seja mesmo entregue até dezembro”, disse. 

A administração municipal reconhece que o posto do Cabana é um dos que demandam mais urgência. “Percebemos com muita facilidade que a unidade não oferece as menores condições de atendimento para pessoas, por exemplo, com insuficiência cardíaca, idosas, que têm que subir escadas para ser atendidas. O novo equipamento vai oferecer não só segurança para usuários e trabalhadores da saúde, mas também conforto para todos de uma maneira moderna", disse o secretário Jackson Machado.


Publicidade