Publicidade

Estado de Minas

Rotativo digital chega a áreas de carga e descarga e limita uso de vagas em BH

Com meta de melhorar trânsito geral, ocupação é de até uma hora e desrespeito é considerado infração grave, com multa de quase R$ 200 e cinco pontos na carteira


postado em 03/06/2019 06:00 / atualizado em 07/06/2019 17:03

Placas já foram instaladas em pontos no perímetro da Avenida do Contorno. Quem não acionar créditos ou desrespeitar prazo estará sujeito a punição (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)
Placas já foram instaladas em pontos no perímetro da Avenida do Contorno. Quem não acionar créditos ou desrespeitar prazo estará sujeito a punição (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS)

Cerco fechado ao uso de espaços de estacionamento em Belo Horizonte. Com a entrada em vigor, quarta-feira, das regras do Rotativo nas áreas de carga e descarga, a BHTrans, que já havia disciplinado o uso de vagas por motociclistas que trabalham com frete, estende as normas a todos os tipos de veículos na capital. A boa notícia para condutores de caminhões e demais veículos que fazem entregas é que o uso será gratuito, como ocorre com o motofrete e diferente do sistema destinado aos carros de passeio, em que os motoristas pagam R$ 4,40 pelo crédito que varia entre uma e 12 horas, de acordo com a região. Mas, apesar de não pagarem pela ativação, condutores em serviço de entrega ou coleta de mercadorias podem ser multados em R$ 195,23, além de perderem cinco pontos na carteira se houver desrespeito ao tempo máximo de uma hora.

O objetivo é dar mais agilidade às paradas dos veículos de carga e descarga nas ruas da capital, já que condutores de caminhões e demais veículos paravam nas vagas e ficavam o tempo que quisessem. A novidade começa a valer depois de amanhã para a área interna da Avenida do Contorno e em 19 de junho para as demais áreas, mas a fiscalização com punição só entra em vigor em julho.

Para a BHTrans, a medida tem potencial para aliviar o trânsito de forma geral e não só para os condutores de veículos a serviço de entregas. Segundo o diretor de Sistema Viário da BHTrans, José Carlos Mendanha Ladeira, há dois tipos de situações que geram problemas imediatos no trânsito. Uma delas é o caso de motoristas que estacionam para fazer a carga e descarga e deixam o local, sem sair assim que concluído o serviço. “Isso gera estacionamento em fila dupla para que outro motorista faça o serviço. Ou então esse condutor fica dando voltas no quarteirão, ocupando o trânsito e poluindo ”, afirma o diretor. Outra situação que também prejudica o trânsito em geral da cidade, segundo Ladeira, é o fato de muitos donos de estabelecimentos que têm vagas nas portas das lojas usarem o espaço distorcendo a regra e deixando veículos por longos períodos.

O diretor explica que números levantados pela BHTrans apontam que, em média, cada veículo a serviço de carga e descarga na cidade termina o procedimento em 35 minutos, por isso o tempo de uma hora é considerado suficiente pela empresa que cuida do trânsito na cidade. “As 2.656 vagas, com uma hora de prazo máximo, vão permitir 36.387 oportunidades de estacionamento. No Centro o benefício será maior, pois é a região onde tem mais disputa por vaga, mais demanda por uso do espaço e mais gente querendo passar”, afirma José Carlos.

Para o motorista de caminhão de gás Olimpio Vaz Costa, de 40 anos, a medida pode funcionar, pois ele admite que já encontrou situações de veículos de carga e descarga estacionados irregularmente nas vagas destinadas ao serviço. “Tem que ver como vai ser a adaptação do pessoal, porque tem muito motorista com dificuldade de mexer com essa tecnologia. Mas tornar mais ágil o serviço pode ajudar a ter mais chance de estacionar para fazer nosso trabalho”, diz ele.

Já o motorista Vitor Armelindo da Silva, de 48, que trabalha com cargas diversas, diz que o maior gargalo para os transportadores de carga é a presença de carros de passeio nos espaços. “O carro pequeno parado onde não deve atrapalha demais. Ele sim nos obriga a parar na rua para fazer nosso serviço. Os caminhões eu acho que param, fazem a entrega e vão embora. Essa situação só resolve com fiscalização em cima dos carros pequenos”, diz ele.

Na sexta-feira, a equipe do EM encontrou dois carros de passeio estacionados, sem motoristas por perto, na esquina da Avenida Brasil com a Rua Padre Marinho, no Bairro Santa Efigênia, Centro-Sul de BH, em duas vagas regulamentadas para carga e descarga onde já existe a nova orientação sobre o rotativo digital. Alguns metros à frente, um caminhão estava parado em vaga para cadeirantes. “Parei aqui porque não tinha outro jeito, descarreguei e já estou saindo. Ali atrás onde fica a vaga de carga e descarga estavam dois carros parados”, disse o condutor que saiu rapidamente, sem se identificar.

O motorista Robson Gonçalves, de 37, disse que aprova a medida da BHTrans. “Sendo de graça, eu aprovo. Se tivesse que pagar com certeza eu seria contra, mas desse jeito eu acho que pode ajudar a agilizar o serviço e evitar que caminhões ocupem as vagas por muito tempo. Já vi muito isso acontecer”, diz ele. Apesar de elogiar a medida, ele endossa a opinião de que o que mais obriga motoristas de carga e descarga a parar na rua são carros pequenos. “Prefiro ver como vai ser na prática. Já perdi a conta de quantas vezes descarreguei na faixa dupla e isso realmente atrapalha o trânsito. Se essa medida servir para as vagas ficarem mais livres, vou concordar”, diz o motorista Fernando Cesar Rodrigues, 42.

 

 

Olho na placa

Rotativo digital para vagas de carga e descarga

» Onde será implantado
Em 2.656 vagas nas regiões da Assembleia, Barro Preto, Barreiro, Belvedere, Buritis, Centro, Cidade Jardim, Cidade Nova, Floresta, Funcionários, Área Hospitalar, Lourdes, Luxemburgo, Mangabeiras, Nova Granada, Santo Antônio, São Pedro, Savassi, Venda Nova, Estação Pampulha, Parque das Mangabeiras e avenidas Pedro II e Carlos Luz

» Quando
Quarta-feira nas áreas internas da Avenida do Contorno. Em 19 de junho nas demais

» Como
Motoristas precisam ativar o Rotativo usando aplicativos no próprio celular ou procurando os pontos credenciados, como bancas de revistas, para fazer a ativação. O período máximo de estacionamento na vaga é de uma hora e não é necessário pagar por isso

» Multa
Aqueles que excederem o tempo ou não ativarem o rotativo estão sujeitos às penalidades do artigo 181 do Código de Trânsito Brasileiro, que estipula multa de R$ 195,23 e perda cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação

» Tolerância
Segundo a BHTrans, a fiscalização passará a multar em julho 


Publicidade