Publicidade

Estado de Minas

Parte de talude começa a se desprender em mina de Barão de Cocais; barragem segue monitorada

Vale detectou queda de fragmentos na madrugada desta sexta-feira. Análises indicam que o material está deslizando gradualmente


postado em 31/05/2019 11:32 / atualizado em 31/05/2019 18:53



Vídeo registrado na segunda-feira durante sobrevoo do  secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável mostra trincas na estrutura

Após mais de uma semana de aumentos constantes da velocidade de deformação, a Vale  confirmou que, na madrugada desta sexta-feira, foi registrado o desprendimento de fragmentos do talude norte da cava da Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, Região  Central de Minas. O processo vem sendo acompanhado desde a detecção, diante do temor de que a queda do paredão pudesse resultar no rompimento da Barragem Sul Superior, que se encontra instável. 

“Esses blocos se acomodaram no fundo da cava. As primeiras avaliações indicam que o material está deslizando de forma gradual, o que até o momento corrobora as estimativas de que o desprendimento do talude deverá ocorrer sem maiores consequências”, informou a Vale, por meio de nota.

Monitoramento


A mineradora ressalta que tanto a cava quanto a barragem, com distância de 1,5 quilômetro uma da outra, são monitoradas de forma remota 24 horas por dia por drone, um radar e uma estação robótica. Esses dois últimos são capazes de detectar movimentações milimétricas, segundo a Vale. 

No início da tarde, o tenente-coronel Flávio Godinho, da Defesa Civil de Minas, a Vale informou que o desplacamento ocorreu por volta das 5h. “Foi um desprendimento de uma parte insignificante, segundo o empreendedor, que caiu dentro da cava e ali ele foi acondicionado e não trouxe nenhuma característica de gatilho ou possível tremor que viesse a ter consequências na Barragem Sul Superior”, destacou. “As ações continuam de monitorar, de acompanhar cada situação, já era previsto que esse talude poderia romper na sua totalidade ou partes dele e isso vem concretizando a cada dia que aumenta a velocidade desse deslocamento”, pontuou o militar.

Entenda o risco


De acordo com a Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec), o cenário mais provável é que ocorra um deslizamento com assentamento gradual do talude no fundo da cava da mineração, o que pode preservar a barragem. A cava, que é o local de onde se extraiu o minério, tem cerca de 110 metros de profundidade, sendo que a água acumulada dos lençóis freáticos e chuva está ao nível de 50 metros. O paredão em movimento apresenta inúmeras erosões, trincas e fissuras. Uma boa parte se encontra submersa. “Uma das possibilidades de ter ocorrido essa fragilização foi justamente a perda de água, que ajudava a manter a estrutura no lugar”, disse o major Marcos Afonso Pereira em matéria do Estado de Minas publicada na edição desta sexta

Zona de auto salvamento em Barão de Cocais(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)
Zona de auto salvamento em Barão de Cocais (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)


O talude que está ameaçando ruir tem 10 milhões de metros cúbicos. Segundo a Cedec, cálculos dos engenheiros contratados pela Vale para o monitoramento dessa estrutura mostram que a cava da mina pode comportar duas vezes e meia o volume do paredão. Há possibilidade de o paredão escorregar aos poucos, já que as movimentações são irregulares. É possível que o material se deposite de forma lenta e gradual no fundo, sem causar estragos. O pior cenário é um descolamento repentino da placa, que pode causar uma onda de choque capaz de fazer com que os rejeitos da Barragem Sul Superior iniciem um processo de liquefação e façam romper o represamento. (Com informações de Mateus Parreiras) 


Publicidade