Publicidade

Estado de Minas

Foragida há 5 anos, mulher de traficante é presa em casa de luxo na Pampulha

Polícia investiga se Margarete Nonata de Oliveira dá sequência ao tráfico comando pelo marido Luiz Cosme Barbosa, o Barriga, que está preso


postado em 24/05/2019 12:03 / atualizado em 24/05/2019 12:49

(foto: Márcia Maria Cruz/EM)
(foto: Márcia Maria Cruz/EM)
A Polícia Civil prendeu  Margarete Nonata de Oliveira, de 40 anos, mulher de Luiz Cosme Barbosa,  o Barriga, que está preso por tráfico, na quinta-feira (23). A prisão foi realizada quando a suspeita de tráfico estava em casa de luxo no bairro Bandeirantes, alugada por ela na região da Pampulha. Conhecida como Tia, a polícia informou que ela é a "dama do tráfico" pelo comércio de drogas no atacado. 

 

"Temos mandado de prisão para ela. Na casa onde ela estava foram apreendidos materiais, principalmente anotações do tráfico, com nomes, valores e quantidade de droga. Isso tudo, somado ao que tem dela no passado, leva a crer que ela ainda continua a obra criminosa do marido", afirma odelegado Daniel Augusto dos Reis da 4ª delegacia do Departamento Estadual de Combate ao Narcotráfico (Denarc).

A polícia cumpriu dois mandados de prisão contra ela, de associação ao tráfico e por lavagem de dinheiro.  "Ela já foi presa três vezes", afirmou.

 

Foram apreendidos documentos, notebook, celulares e um carregador com munição calibre 380. De acordo com as investigações, a casa foi alugada por Margarete. "Estamos investigando essas pessoas se são possíveis laranjas", informou. Segundo a polícia, Barriga movimentava cerca de cinco toneladas de droga por mês antes de ser condenado por tráfico. 

 

O primeiro mandado de prisão foi expedido contra ela há cinco anos, mas, durante esse tempo, Margarete conseguiu escapar usando documentação falsa. "Na casa que ela estava, apreendemos duas CNHs falsas. Era notório que ela tinha a intenção de se furtar das garras da lei. Provavelmente, numa blitz, ela apresentaria esses documentos falsos." 

 

De acordo com as investigações, Margarete seria responsável por toda logística na comercializaçã da droga no atacado.  A polícia investiga se, mesmo preso, Barriga ainda comandaria o negócio. "Pelos documentos, a gente acha que ele continua com essa obra criminosa. Tem muito nomes envolvidos de traficantes conhecidos de Belo Horizonte", afirmou. A polícia pretende rastrear os bens patrimoniais do casal.


Publicidade