Publicidade

Estado de Minas

Sem conseguir matar pastor, atirador começou matança pelo pai do religioso

Segundo delegada, autor do massacre de Paracatu escolheu o pai do pastor Evandro Rama para ser a primeira vítima dentro da igreja


postado em 22/05/2019 14:23 / atualizado em 22/05/2019 18:24

Carlos Vieira/CB/D.A Press (foto: Thais Regina Silva, responsável pela 2ª Delegacia Regional de Paracatu)
Carlos Vieira/CB/D.A Press (foto: Thais Regina Silva, responsável pela 2ª Delegacia Regional de Paracatu)

Paracatu (MG) — Segundo a delegada responsável por apurar o massacre cometido em Paracatu (MG), na terça-feira (21/5), o ex-membro das Forças Armadas Rudson Aragão Guimarães, 39 anos, expôs os fiéis que estavam na Igreja Batista Shalom a momentos de puro terror antes de começar a matar as vítimas.

Thais Regina Silva, responsável pela 2° Delegacia Regional de Paracatu, conta que Rudson, após matar a ex-namorada Heloísa Vieira Andrade, 59 anos, foi ao templo com a intenção de matar o pastor Evandro Rama. Como o religioso conseguiu fugir, ele passou a ameaçar os fiéis, dizendo que, se não lhe trouxessem Evandro, ele passaria a matar os presentes.


Como o pastor não voltou, Rudson teria escolhido o pai de Evandro como primeira vítima. "Parece que a todo momento ele afirmava que, se eles não o trouxessem, eles morreriam. E como ele (Evandro) não apareceu, a primeira vítima foi o pai dele, o seu Antônio", disse Thais Regina ao Correio.
 

Golpes de canivete

A delegada também confirmou que a primeira vítima foi Heloísa, que estava na casa de parentes de Rudson. Ela morreu com golpes de canivete no pescoço. Depois, o autor se armou e seguiu para a igreja. "Na igreja, ele arrombou o portão para entrar e, lá, ele já se pronunciou falando que queria matar o pastor", afirmou (veja vídeo abaixo).

Além de Antônio Rama, 67 anos, foram mortos na igreja Rosângela Albernaz, 50; e Marilene Martins de Melo Neves, 52. Policiais que faziam a patrulha acertaram Rudson, que ainda tinha seis balas intactas no momento em que foi alvejado. Ele foi levado para o hospital e internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Nesta quarta-feira (22/5), médicos informaram que seu quadro é estável e ele não corre risco de morte.


Publicidade