Publicidade

Estado de Minas

Homem é preso após espancar mulher em estação do Move de BH

Vítima, que é surda, teve o nariz quebrado e sofreu lesão no olho esquerdo, que teve a visão prejudicada. Os dois chegaram a ficar juntos, mas a mulher não queria começar um namoro e por isso foi brutalmente agredida


postado em 08/04/2019 12:14 / atualizado em 08/04/2019 20:50

Leonardo Luiz da Silva foi ouvido pela polícia nesta segunda-feira(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Leonardo Luiz da Silva foi ouvido pela polícia nesta segunda-feira (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)

Está preso à disposição da Justiça Leonardo Luiz da Silva, de 32 anos, apontado pela Polícia Civil como o autor de uma tentativa de feminicídio contra uma auxiliar administrativa que é deficiente auditiva e trabalha funcionária do Instituto de Identificação da Polícia Civil e também na Prefeitura de Belo Horizonte. O caso chamou a atenção dos policiais pela brutalidade com que ocorreram as agressões.

Sem aceitar o fim de um rápido relacionamento, Leonardo surpreendeu a vítima em uma estação de transferência de passageiros do Move na Avenida Antônio Carlos e a agrediu com uma rasteira, seguida de socos no rosto, que a deixaram com uma lesão que afetou a visão do olho esquerdo e também causaram uma fratura no nariz.

A irmã da mulher espancada, Taisná Gomes de Oliveira, de 23 anos, disse que os dois cresceram juntos e conviveram até os 11 anos, mas Leonardo foi embora de Belo Horizonte e só retornou em dezembro, quando eles se encontraram novamente e chegaram a ficar juntos em poucas ocasiões. "Ele queria iniciar um relacionamento e minha irmã não queria", afirma Taisná.

O crime ocorreu em 9 de março dentro da Estação IAPI, e Leonardo foi preso no dia 29, de forma preventiva, depois que a Polícia Civil representou na Justiça pela prisão. Segundo a delegada Danúbia Soares Quadros, antes de cometer a tentativa de feminicídio, o autor do crime já havia ameaçado a vítima, que é deficiente auditiva, com uma faca, mas o caso não foi comunicado à polícia. Segundo Taisná, Leonardo começou a fazer a mesma rotina da irmã, frequentando o mesmo culto, e também a esperando em pontos de ônibus, até que aconteceu o ato de extrema violência.

O agressor também já responde por outra tentativa de homicídio uma ex-companheira em 2015 na cidade de Capelinha, no Vale do Jequitinhonha, quando a legislação ainda não tratava especificamente do feminicídio. Leonardo, inclusive, retomou o contato com a vítima do espancamento na Estação IAPI depois de ser beneficiado por uma progressão de regime e conseguir o benefício da prisão domiciliar. Ele saiu da cadeia em novembro de 2018 e teria ficado com a auxiliar administrativa em janeiro deste ano.

"A vítima já não queria continuar com esse agressor, mas ele insistindo ameaçou a vítima com a faca, voltou a agredí-la em março e o motivo é a violência doméstica. Ele não aceitava o término do relacionamento que tinha pouco mais de um mês", diz Danubia Quadros. Câmeras de segurança da Estação IAPI flagraram o momento em que algumas pessoas tentam ajudar a mulher agredida, que chegou a ficar desacordada, segundo a Polícia Civil.


Publicidade