Publicidade

Estado de Minas

PF vai dividir em duas partes inquérito sobre o rompimento da barragem de Brumadinho

Segundo a Polícia Federal (PF), primeira parte da investigação trata sobre crimes de falso, enquanto a outra fatia se volta aos crimes ambientais e possíveis homicídios


postado em 20/03/2019 19:46 / atualizado em 20/03/2019 20:54

(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

 

A Polícia Federal (PF) vai dividir em duas partes o inquérito sobre o rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Segundo a corporação, a primeira trata de crimes de falsidade ideológica e de documentos. Já a segunda frente de investigação se volta aos crimes de homicídio e ambientais. O rompimento da barragem na mina Córrego do Feijão deixou 209 mortos e 97 desaparecidos, até esta quarta-feira (20).


Os crimes de falso, segundo a PF, está sendo relatada, o que possibilitará que a Justiça processe os investigados.Tais crimes podem ter ocorrido no laudo expedido pela consultoria Tüv Süd, que atestou a segurança da barragem que se rompeu.


No mesmo âmbito, as investigações apontam que a Vale, mesmo sabendo que a represa não apresentava segurança, apresentou o laudo às autoridades. A ação configuraria crime de falsificação de documentos.


A outra parte do inquérito ainda está em processo de apuração, de acordo com a Polícia Federal. Os trabalhos devem avançar após a conclusão da outra fatia. O grupo de delegados, promotores e procuradores apuram a possibilidade de homicídio por dolo eventual na catástrofe, com base no Plano de Ação de Emergência para Barragens de Mineração (PAEBM).


O documento é obrigatório e tem como objetivo “minimizar o risco de perdas de vidas humanas”. Ao ser procurada se havia ignorado as informações presentes no documento, a Vale criticou a postura dos engenheiros Makoto Namba e André Yassuda, da Tüv Süd. “A Vale esperava que os auditores dessa empresa tivessem responsabilidade técnica, independência e autonomia na prestação de serviços. As alegações da Tüv Süd de terem sofrido ‘pressão’ nos levam a crer que os funcionários da própria Tüv Süd teriam adotado condutas inidôneas gravíssimas”, informou a mineradora.


Em resposta, a Tüv Süd ressaltou que “está investigando minuciosamente seus processos internos, bem como possíveis causas para o trágico colapso da barragem em Brumadinho”. Também disse que “tomará providências necessárias” em caso de detecção de erros internos.


O advogado Augusto de Arruda Botelho Neto, que defende Makoto Namba e André Yassuda, rebateu, dizendo que os laudos que declararam a estabilidade foram assinados com base em critérios técnicos e estudos aprofundado. “Não obstante o baixo índice de segurança da barragem, ela se encontrava estável no momento de assinatura da declaração, esta condicionada a uma série de recomendações e ressalvas. Cabe à Vale informar se tais recomendações foram seguidas ou não”, disse em entrevista ao Estado de Minas. (Com Júnia Oliveira)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade