Publicidade

Estado de Minas

Moradores evacuados por risco em barragem de Rio Preto podem retornar a suas casas

Defesa Civil informou que o nível de emergência da barragem foi reduzido. Vale afirma que estradas continuam bloqueadas


postado em 20/03/2019 15:36 / atualizado em 20/03/2019 17:28

Comunidade evacuada em Rio Preto fica na zona rural. Na foto, centro do município (foto: Reprodução da internet/Google Maps)
Comunidade evacuada em Rio Preto fica na zona rural. Na foto, centro do município (foto: Reprodução da internet/Google Maps)

A Defesa Civil de Minas Gerais informou que moradores da zona rural de Rio Preto, na Zona da Mata, podem retornar a suas casas. Na manhã desta quarta-feira, o órgão atestou a redução do nível de emergência da barragem da Usina Hidrelétrica Mello. No último dia 16, o nível de segurança da barragem havia sido elevado para nível 2

Em reunião realizada na manhã desta quinta-feira, a Defesa Civil Municipal informou e orientou a população quanto aos procedimentos. Esta foi a sétima comunidade a ser evacuada, desde o rompimento da barragem 1 da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho.

A barragem, que fica na cidade localizada a 385 quilômetros de Belo Horizonte, na divisa com o Rio de Janeiro, apresentou infiltração em galeria de drenagem e obrigou a retirada de moradores. Ao todo 29 pessoas, que viviam na chamada zona de auto salvamento (ZAS) foram levadas para uma pousada da região.

Segundo a Defesa Civil Estadual, a causa da elevação do nível de emergência foi uma tempestade que atingiu a cidade de Rio Preto na noite da última sexta-feira, dia 15. "As chuvas provocaram uma infiltração de água dentro da galeria de drenagem da barragem". 

Nota

Em nota, a Vale informou três pontos de passagem em estradas vicinais (Quitote, Campo do Lico e no entroncamento com Furtado) foram desbloqueados, mas permanecerão monitorados pela empresa. Confira a íntegra da nota:

A Vale declarou o encerramento do nível 2 da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Mello, em Rio Preto, Minas Gerais, acionado preventivamente no último sábado (16/3), em razão do aumento volume de água da represa devido às fortes chuvas.

Com base em inspeções visuais de campo, dados de instrumentação e análises de estabilidade das estruturas, a empresa externa de engenharia contratada pela Vale atestou a segurança e estabilidade da barragem.  Somando-se a isso, a redução do nível de água no reservatório permitiu o retorno ao registro de nível 1 de segurança.

Os moradores da Zona de Autossalvamento (ZAS) foram, então, autorizados a voltar para suas casas pela Defesa Civil. O retorno dos animais será executado conforme plano elaborado em conjunto com proprietários, com apoio de empresas especializadas. Três pontos de passagem em estradas vicinais (Quitote, Campo do Lico e no entroncamento com Furtado) foram desbloqueados, mas permanecerão monitorados pela empresa.
 

* Estagiária sob supervisão da subeditora Ellen Cristie. 


Publicidade