Publicidade

Estado de Minas

Número de desaparecidos em Brumadinho cai para 257; mortos são 99

Atualização do 7º dia de buscas foi feita em coletiva no início da tarde desta quinta-feira. Autoridades também negam desentendimentos com militares israelenses


postado em 31/01/2019 13:14 / atualizado em 31/01/2019 13:30

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


As autoridades que participam das buscas pelas vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, atualizaram os números do 7º dia de buscas, no início da tarde desta quinta-feira. 

De ontem para hoje, o número de desaparecidos caiu de 259 para 257. Ainda é de 99 o número de mortes confirmadas. 395 pessoas foram localizadas e 176 estão desalojadas. Durante a coletiva, o major Flávio Santiago, porta-voz da Polícia Militar de Minas Gerais, disse que um corpo foi encontrado fora da chamada “zona quente” de atuação. 

Mais cedo, a Vale divulgou nota atualizando o número de mortos identificados de 57 para 67. No entanto, a Polícia Civil ainda não divulgou em seu site a lista de nomes dessas pessoas. 

Na mesma entrevista, os porta-vozes dos órgãos presentes nas buscas por vítimas da tragédia de Brumadinho negaram desentendimentos entre os socorristas brasileiros e as tropas israelenses. O rumor surgiu após os militares confirmarem a volta do grupo ao país de origem ainda nesta quinta-feira, o que pegou de surpresa autoridades e famílias das vítimas. De acordo com as autoridades, o motivo da saída seria que o contingente não se fez mais necessário. 

Ver galeria . 9 Fotos Cerimônia de despedida de israelensesRodrigo Fuscaldi
Cerimônia de despedida de israelenses (foto: Rodrigo Fuscaldi )


“Nós estamos vivendo aqui uma situação clássica de operação interagências em que não há subordinação ou posição hierárquica”, disse o porta-voz do Comando Militar do Leste, Carlos Cinelli. Segundo ele, cada agência tem uma capacidade distinta, contribuindo para uma complementariedade dos esforços para o resgate.

O porta-voz da Defesa Civil, tenente-coronel Flávio Godinho, também negou que tenha havido qualquer conflito entre as as tropas brasileiras e israelenses. “Vale ressaltar a cordialidade e a receptividade do povo mineiro e brasileiro. Em momento algum houve notícia ou citação de qualquer  fato em que houvesse desarmonia entre e os órgãos.”
Continua depois da publicidade

Ver galeria . 12 Fotos Grupo percorre área onde ficava pousada Nova Estância, que fica próxima à barragem da Vale e foi destruída com a passagem dos rejeitos de minérioMateus Parreiras/EM
Grupo percorre área onde ficava pousada Nova Estância, que fica próxima à barragem da Vale e foi destruída com a passagem dos rejeitos de minério (foto: Mateus Parreiras/EM )


Godinho ainda ressaltou que os socorristas brasileiros aprenderam muito com as tropas israelenses. “Este é um momento de prestar solidariedade e a tropa de Israel fez da melhor maneira possível em sinergia com todos os órgãos aqui existente e trabalhando…  Eles complementaram, eles ajudaram, eles nos ensinaram novas formas de atuação. É bom deixar isso bem claro.

O chefe da sala de imprensa da Polícia Militar de Minas Gerais, major Flávio Santiago, reforça que a previsão de estada dos israelenses em Brumadinho era de uma semana e que isso se cumpriu. “A saída também se dá em função da desmobilização que eles precisam fazer amanhã já no próprio país de origem”, informou policial. “Eles viajam e, a partir das 18h de amanhã até o sábado, para que cheguem em condições de cumprir esse protocolo importante na cultura deles" - os judeus guardam o shabat para orações e nesse dia não trabalham.


Publicidade