Publicidade

Estado de Minas

Sobe para 65 o número de mortes na tragédia de Brumadinho

Já foram identificadas 31 pessoas, segundo a Polícia Civil


postado em 28/01/2019 19:27 / atualizado em 28/01/2019 19:50

(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A.Press)
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A.Press)

O número de mortes da tragédia de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, não para de subir. Balanço divulgado na noite desta segunda-feira pelas autoridades de segurança que trabalham nas buscas por vítimas mostra que foram 65 óbitos confirmados. Outras 279 pessoas continuam desaparecidos. Já foram identificadas 31 pessoas.

Nesta segunda-feira, os militares do Corpo de Bombeiros receberam a ajuda da missão israelense nas buscas. Aproximadamente 120 militares foram deslocados até um dos pontos considerados mais críticos. Eles trabalharam na procura de soterrados no refeitório que ficava dentro da área administrativa da Vale.

Devido a proximidade com a barragem que se rompeu, a hipótese do Corpo de Bombeiros é que a estrutura tenha sido deslocada com a força da lama de rejeitos que desceu do reservatório. A profundidade de lama no local, segundo o tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, é de aproximadamente oito metros.

A tecnologia ajuda nas ações dos militares israelenses. Eles vieram com 12 tipos de equipamentos para colaborar com as buscas. Um deles é um sonar. O item capta sinais telefônicos a até cinco metros de profundidade e se torna mais uma opção para capacitar os trabalhos de busca e salvamento em meio à lama de rejeitos.  Os militares vão utilizar, também, um sonar para detecção de material humano.

Identificação no IML


Já foram identificados 35 vítimas da tragédia no Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte. Devido ao aumento significativo o número de corpos encontrados, Academia de Polícia de Minas Gerais (Acadepol) organizará uma força-tarefa para agilizar o processo de reconhecimento. Além do aumento de profissionais envolvidos no processo, a Acadepol desenvolveu um cadastro especial para facilitar a identificação dos mortos.

O IML de Belo Horizonte está reservado para o atendimento às vítimas do acidente na barragem de Brumadinho – outros casos estão sendo concentrados na unidade de Betim. O local na capital atualmente tem capacidade para 77 câmaras frigoríferas e pode estender o atendimento a outros 350 corpos. Hoje, existem 88 médicos-legistas trabalhando no processo. A maioria dos corpos tem sido reconhecidos por impressão digital.


Publicidade