Publicidade

Estado de Minas

Abastecimento de água da Grande BH não será prejudicado por rompimento de barragem, diz Copasa

Companhia disse, por meio de nota, que está monitorando a situação e acompanhando no local


postado em 25/01/2019 15:22 / atualizado em 25/01/2019 16:05

Ver galeria . 34 Fotos Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão, da Mineiradora Vale, em Brumadinho, Grande BH Alexandre Guzanshe/EM/D.A press
Rompimento de rejeitos da Barragem 1 da Mina Feijão, da Mineiradora Vale, em Brumadinho, Grande BH (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A press )


A Copasa informou que o abastecimento de água da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) não será prejudicado com o rompimento da barragem Mina Feijão, em Brumadinho, na tarde desta sexta-feira.

A companhia disse, por meio de nota, que está monitorando a situação e acompanhando no local.

"Caso seja necessário, o abastecimento da região atendida pelo sistema Paraopeba, passará a ser realizado pelas represas do Rio Manso, Serra Azul, Várzea das Flores e pela captação a fio d’água do Rio das Velhas", informou.

 

A barragem do Córrego do Feijão rompeu-se no fim da manhã. A barragem pertence à Vale. Prefeituras de cidades próximas ao Rio Paraopeba alertam os moradores que se mantenham longe do curso d'água. 
 
O número de vítimas ainda não foi informado. O Corpo de Bombeiros e o governo de Minas Gerais enviaram viaturas e helicópteros para o socorro no município. Em vídeos feitos no local, funcionários da mineradora falam até em um restaurante atingido pela lama.

A CAPTAÇÃO Em dezembro de 2015, a Copasa inaugurou uma captação emergencial diretamente no Rio Paraopeba, em Brumadinho, que permitiu à empresa retirar até 5 mil litros de água por segundo do manancial, garantindo a recuperação das represas do Sistema Paraopeba.

Com as chuvas recentes, a Copasa tem condições de poupar a captação direta do Paraopeba e usar apenas as represas, se assim for necessário, conforme explicou o diretor de Operação Metropolitana da Copasa, Rômulo Perilli, em reportagem publicada pelo EM em 5 de janeiro. Na ocasião, o Estado de Minas mostrou que a represa Vargem das Flores (popularmente conhecida como Várzea das Flores) atingiu o maior nível em 5 anos.


Publicidade