Publicidade

Estado de Minas

Mulher de 27 anos é atropelada por ex-companheiro em Uberlândia

Jovem estava sentada na calçada quando o motorista passou pelo local, visualizou a vítima, fez o retorno e acelerou em direção a ela. Ainda de acordo com a Polícia Civil, a mulher já tinha entrado com uma medida protetiva contra o agressor


postado em 04/01/2019 12:48 / atualizado em 04/01/2019 13:30

(foto: Street View/ reprodução)
(foto: Street View/ reprodução)
Uma mulher de 27 anos foi vítima de um atropelamento por um homem de 37 anos, na noite dessa quinta-feira, no Bairro Jardim das Palmeiras, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. A ocorrência foi registrada pela Polícia Militar (PM) como tentativa de homicídio e o homem está foragido.

De acordo com a corporação, a ocorrência aconteceu por volta das 21h na Rua Odontologo, próximo ao número 195. A mulher estava sentada na calçada quando o motorista passou pelo local, visualizou a vítima, fez o retorno e acelerou em direção a ela. O carro subiu no passeio, acertou uma árvore e prensou a mulher contra o muro.

Ainda segundo o relato de testemunhas, o homem ainda deu ré, tentando atingi-la novamente. Mas, foi impedido por testemunhas que estavam no local. Em seguida, ele fugiu.

Policiais começaram o rastreamento e encontraram o carro dentro de um casa em endereço vizinho. Lá, foram encontrados uma barra de ferro e um facão. O carro e os objetos foram removidos.

Ainda de acordo com a Polícia Civil, a mulher já tinha entrado com uma medida protetiva contra o agressor.
 

DA LEI MARIA DA PENHA À LEI DO FEMICÍDIO

A Lei Maria da Penha (Lei nº11.340/2006) entrou em vigor no Brasil para trazer maior rigor às punições em casos de agressões sofridas pela mulher. Ela afastou a aplicação da Lei dos Juizados Especiais (Lei nº 9.099/95), que se mostrava ineficaz para tais casos.

O que é o feminicídio?

É o assassinato de uma mulher pela condição de ser mulher. Em 2015, a lei do Feminicídio (Lei nº13.104/15) juntou-se a Lei Maria da Penha na construção do empoderamento das mulheres e conjunto com as políticas criadas para prevenir e punir atentados, agressões e maus-tratos. As alterações trazidas pela Lei do Feminicídio trouxeram mais severidade nas penas para crimes praticados nos casos de violência doméstica e familiar e de menosprezo ou discriminação à condição de mulher.

 

(Fonte: MPMG/divulgação)

REDE DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER

Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher – DEAM
Avenida Augusto de Lima, 1.942, Barro Preto
(31) 3295-6913

Promotoria de Justiça Especializada no Combate à Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher
Avenida Álvares Cabral, 1.881, Santo Agostinho

Juizados de Violência Doméstica e Familiar
Fórum Lafayette – Avenida Augusto de Lima, 1.549, 3º andar, Barro Preto
1º Juizado (31) 3330-4372/2º Juizado (31) 3330-4378
3º Juizado (31) 3330-4385/4º Juizado (31) 3330-4391

Defensoria Pública Especializada da Defesa dos Direitos das Mulheres em Situação de Violência
Avenida Amazonas, 558, 2º andar, Centro
(31) 3270-3202

Certa (Centro Risoleta Neves de Atendimento)
Avenida Amazonas, 558, 1º andar, Centro
(31) 3270-32-35

Benvinda Centro de Apoio à Mulher
Rua Hermilo Alves, 34, Santa Tereza, BH
(31) 3277-4380

 

(Fonte: MPMG/divulgação)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade