Publicidade

Estado de Minas

Grupo explode banco e queima carro no interior de Minas

Batalhão de Operações Especiais (Bope), um avião e um helicóptero do Comando de Aviação da Polícia Militar foram convocados para a ação


postado em 18/12/2018 13:40 / atualizado em 19/12/2018 07:46

(foto: PMMG/Divulgação)
(foto: PMMG/Divulgação)


Tiros para o alto. Explosão. Ameaças e muita violência. O enredo das quadrilhas especializadas em ataques a caixas eletrônicos voltou a amedrontar moradores de mais uma cidade mineira. Desta vez,  o alvo dos criminosos foi um banco em Ilicínea, na Região Sul de Minas Gerais. Ao menos seis homens fortemente armados com fuzis e pistolas chegaram à cidade e cercaram uma praça onde está localizado o imóvel. Antes de colocar os explosivos, fizeram um morador como refém. Depois, atearam fogo em um veículo, mas fugiram sem levar nada. Uma grande operação foi montada até com ajuda aérea. Um helicóptero e um avião do Comando Aviação da Polícia Militar ajudaram nas buscas. Quatro homens foram presos horas depois.


Moradores da cidade, que tem cerca de 11,5 mil habitantes, ouviram explosões às 3h e vários disparos de arma de fogo. De acordo com a Polícia Militar, ao menos seis homens chegaram em dois veículos e foram para uma praça no Centro da cidade. Lá, eles se dividiram e cercaram a área. Um morador que passava de carro foi rendido por um dos homens. Ele foi retirado do automóvel e obrigado a se deitar no chão, enquanto a ação prosseguia.  Pouco depois, os criminosos colocaram bananas de dinamite na agência do Banto Itaú e detonaram o explosivo. O estabelecimento teve as paredes danificadas, assim como imóveis vizinhos. Uma casa que ficava em um pavimento acima da agência foi destruída. Parte da parede cedeu.

Depois da explosão, os criminosos saíram da agência e atearam fogo em um dos veículos em que chegaram à cidade. Eles fugiram no carro do morador que foi rendido durante a ação. Enquanto deixavam a cidade, o bando efetuou diversos disparos contra casas e comércios. Não há informações sobre feridos.


Um grande cerco foi formado em Ilicínea e municípios vizinhos para tentar encontrar os criminosos. Militares da região e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) percorreram a zona rural da cidade. Eles contaram com a ajuda do helicóptero e do avião do Comando de aviação da PMMG (Comave). Denúncias de moradores indicaram a presença de pessoas suspeitas próximo a Carmo do Rio Claro, cidade vizinha.


Os militares fizeram o cerco na região e conseguiram encontrar quatro suspeitos com a ajuda de cães farejadores. Com eles, foram apreendidos dois fuzis, duas pistolas e três coletes à prova de balas. A suspeita da polícia é que os bandidos sejam de São Paulo e façam parte de uma organização criminosa especializada neste tipo de ação.

BLINDADOS Uma das estratégias para tentar acabar com os ataques a bancos em Minas Gerais, que há tempos vem tirando o sono dos moradores, principalmente de pequenas cidades, é o uso de veículos blindados. A expectativa é colocá-los nas ruas para fazer frente à violência empregada pelas quadrilhas no próximo anos. Na última semana, o atual comandante-geral da corporação, coronel Helbert Figueiró de Lourdes, que vai deixar o cargo junto com o governador Fernando Pimentel (PT), destacou que em 2019 deverão ser adquiridos os 40 veículos blindados para reforçar a corporação no enfrentamento ao grande poder de fogo empregado por ladrões de banco. Ele ressaltou a queda no número de casos.  Em 2016, foram 237 casos, contra 190 em 2017 e 95 de janeiro a 11 de dezembro deste ano.


Publicidade