Publicidade

Estado de Minas

"Vão receber o troco", diz Kalil sobre empresas de ônibus de BH

Prefeito anunciou que deve "abrir a caixa-preta" da BHTrans ainda nesta semana


postado em 17/12/2018 08:40 / atualizado em 17/12/2018 16:17



Na semana em que deve anunciar a o resultado da auditoria de contratos do transporte público de Belo Horizonte, o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, deixou um recado para as empresas em seu perfil no Twitter. Na manhã desta segunda-feira, ele postou “Se as empresas de ônibus fazem o que querem, vão receber o troco. Belo Horizonte tem governo”. 

"A caixa-preta da BHTrans foi aberta. A auditoria foi muito bem feita. Vão me apresentar os números hoje ainda", afirmou o prefeito na semana passada após visitar as obras do Centro de Saúde Cafezal. Ele garantiu que a decisão sobre o aumento ou não das tarifas para 2019 depende do que os números apontarem. "Eu não tenho medo de número, não tenho medo de documento e não tenho medo de demagogo", e ainda acrescentou: "Nós não podemos levar o transporte público de BH como inimigos e não como amigos. São empresários e querem lucro. Nós queremos a passagem mais barata e temos que ter a responsabilidade de não parar o transporte público na terceira capital do país". Nesta manhã, a assessoria de imprensa da PBH informou que a coletiva de imprensa para apresentação do levantamento ainda não teve a data e horário marcados. 

(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press - 20/11/2018)
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press - 20/11/2018)


No fim do ano passado, Kalil se reuniu com empresários que administram as empresas de ônibus de BH e anunciou que não haveria aumento no valor das passagens “enquanto não se abrir a caixa-preta da BHTrans”, promessa de campanha do prefeito. 

Falta de agente de bordo


Além disso, uma cena que vem se repetindo com frequência nos ônibus do transporte coletivo de Belo Horizonte é a viagem sem o agente de bordo, popularmente conhecido como cobrador. A prática é permitida por lei durante o período noturno, entre as 20h30 e as 5h59, e nos veículos do Move. Mas passou a ser adotada irregularmente em outros horários.

Somente de janeiro a novembro, a BHTrans aplicou 8.726 multas às empresas de ônibus por esse motivo contra as empresas. As infrações somam R$ 5,8 milhões. “As multas estão sendo enviadas à Secretaria Municipal de Fazenda para as devidas providências”, informou a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) por meio de nota.

O aumento no número de infrações impressiona se comparado com o ano passado. As 8.126 multas aplicadas em 2018, são aproximadamente 41 vezes mais do que as 210 registradas nos doze meses de 2017.  A situação foi motivo de protestos recentes em Belo Horizonte.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade