Publicidade

Estado de Minas

Recuperação do crânio de Luzia renova expectativa sobre dinossauro mineiro

Ma­xaka­li­sau­rus to­pai vi­veu há 80 mi­lhõ­es de anos, quan­do os pla­nos do Tri­ân­gu­lo Mi­nei­ro eram ri­os e pântanos. Expectativa de que sejam recuperados fragmentos do único exemplar da espécie já localizado


postado em 28/10/2018 07:00 / atualizado em 28/10/2018 07:52


Es­pe­ran­ça pa­ra o di­nos­sau­ro na boa-no­va da Luzia. A re­cu­pe­ra­ção de frag­men­tos que per­mi­tem a re­cons­ti­tui­ção do crâ­nio da­que­la que é con­si­de­ra­da a pri­mei­ra bra­si­lei­ra au­men­ta a ex­pec­ta­ti­va de que o mes­mo pos­sa ocor­rer com os res­tos do úni­co exem­plar de Ma­xaka­li­sau­rus to­pai já encontrados. Co­mo o fós­sil de Lu­zia, um dos mais an­ti­gos ha­bi­tan­tes das Amé­ri­cas, com 11,5 mil anos –, o do di­nos­sau­ro tam­bém es­ta­va guar­da­do no Mu­seu Na­ci­o­nal (MN) quan­do a edi­fi­ca­ção se in­cen­diou, em 2 de se­tem­bro, nu­ma tra­gé­dia que trans­for­mou em cin­zas gran­de par­te do va­li­o­so acer­vo do Mu­seu Nacional. Na sex­ta-fei­ra, o di­re­tor da ins­ti­tui­ção, Ale­xan­der Ke­ll­ner, in­for­mou que fo­ram en­con­tra­dos na edi­fi­ca­ção, de for­ma frag­men­ta­da, 100% do crâ­nio e do fê­mur de Lu­zia, des­co­ber­tos em 1975 na La­pa Ver­me­lha IV, em Pe­dro Le­o­pol­do, na Re­gi­ão Me­tro­po­li­ta­na de Be­lo Ho­ri­zon­te (RM­BH).


Tam­bém em ter­ras mi­nei­ras, o Ma­xaka­li­sau­rus to­pai vi­veu há 80 mi­lhõ­es de anos, quan­do os pla­nos do Tri­ân­gu­lo Mi­nei­ro eram ri­os e pântanos. Com 12 me­tros de com­pri­men­to e no­ve to­ne­la­das, seu ca­dá­ver foi em­pur­ra­do pe­la cor­ren­te­za e en­ca­lhou num ban­co de la­ma, on­de cro­co­di­los pré-his­tó­ri­cos o de­vo­ra­ram, dei­xan­do seus os­sos imer­sos no bar­ro que os so­li­di­fi­cou e conservou. A sa­ga do úni­co ti­ta­nos­sau­ro de sua es­pé­cie já en­con­tra­do, per­to de uma es­tra­da de Pra­ta, no Tri­ân­gu­lo Mi­nei­ro, em 1998, pro­je­tou a re­gi­ão co­mo sen­do uma das mais im­por­tan­tes pa­ra a paleontologia. O no­me de ba­tis­mo do rép­til pré-his­tó­ri­co ho­me­na­geia a tri­bo in­dí­ge­na ma­xa­ca­li e o in­di­ví­duo en­con­tra­do se des­ta­ca­va co­mo o mai­or di­nos­sau­ro re­pli­ca­do e mon­ta­do do Brasil. Ain­da não se sa­be se o fo­go que des­truiu a ins­ti­tui­ção deu ca­bo des­se re­pre­sen­tan­te úni­co de uma es­pé­cie de di­nos­sau­ro pro­ve­ni­en­te do ter­ri­tó­rio mineiro.

Além da ré­pli­ca de Ma­xaka­li­sau­rus to­pai es­cul­pi­da e mon­ta­da num dos sa­lõ­es do Mu­seu Na­ci­o­nal, o es­pa­ço man­ti­nha tam­bém gran­de par­te do fós­sil que o inspirou. De acor­do com o cu­ra­dor do Mu­seu dos Di­nos­sau­ros de Ube­ra­ba e pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do Tri­ân­gu­lo Mi­nei­ro, Thi­a­go Ma­ri­nho, o MN guar­da­va um pe­da­ço do crâ­nio, vá­ri­os frag­men­tos das vér­te­bras e par­tes dos os­sos dos mem­bros do dinossauro. O cu­ra­dor, que fez me­tra­do e dou­to­ra­do no MN, co­nhe­cia bem o acer­vo paleontológico. “Par­tes (vér­te­bras e cer­vi­cais) de um ou­tro fós­sil de ti­ta­nos­sau­ro, que não ti­nha se­quer si­do iden­ti­fi­ca­do, tam­bém es­ta­vam na co­le­ção científica. A ré­pli­ca do ma­xaka­lis­sau­ro foi per­di­da, mas po­de ser re­fei­ta sem mai­o­res complicações. Sa­be­mos que o sí­tio ar­que­o­ló­gi­co on­de o ma­xaka­lis­sau­ro foi en­con­tra­do re­ve­lou mais frag­men­tos des­se mes­mo in­di­ví­duo, que fo­ram le­va­dos pa­ra a Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Uber­lân­dia”, diz Marinho.

Lo­go de­pois do in­cên­dio, o cu­ra­dor do mu­seu do Tri­ân­gu­lo ex­pôs o te­mor de que o fós­sil não ti­ves­se resistido. “O acer­vo que es­ta­va em ex­po­si­ção não de­ve ter re­sis­ti­do ao ca­lor (no­ve ho­ras de in­cên­dio). Na co­le­ção ci­en­tí­fi­ca, o ma­te­ri­al es­ta­va em ar­má­ri­os des­li­zan­tes de me­tal, mas os fós­seis, quan­do sub­me­ti­dos a al­tas tem­pe­ra­tu­ras po­dem ser cal­ci­na­dos, trans­for­mam-se em cal.”

FI­NAN­CI­A­MEN­TO CO­LE­TI­VO

No fim de 2017, um ata­que de cu­pins des­truiu a ba­se on­de es­ta­va mon­ta­do o Ma­xaka­li­sau­rus to­pai no MN. De­pois de mais de um mi­lhão de vi­si­tan­tes te­rem ad­mi­ra­do o es­que­le­to, a in­ter­di­ção da ala trou­xe gran­de in­dig­na­ção e sem uma si­na­li­za­ção cla­ra de ação do po­der pú­bli­co ou da UFJR, a As­so­ci­a­ção Ami­gos do Mu­seu Na­ci­o­nal lan­çou uma cam­pa­nha de fi­nan­ci­a­men­to co­le­ti­vo vir­tu­al pa­ra an­ga­ri­ar R$ 30 mil. O su­ces­so foi tan­to que a ar­re­ca­da­ção qua­se ba­teu os R$ 60 mil.

Co­mo ape­nas um in­di­ví­duo foi en­con­tra­do em Pra­ta, não se po­de afir­mar com cer­te­za se o Ma­xaka­li­sau­rus to­pai se es­pa­lha­va por ou­tras re­gi­õ­es mi­nei­ras e do Brasil. A ro­cha on­de foi en­con­tra­do tam­bém en­vol­via den­tes de cro­co­di­los pré-his­tó­ri­cos e frag­men­tos de tar­ta­ru­gas que vi­ve­ram no pe­rí­o­do Cre­tá­ceo (145milhões e 65 mi­lhõ­es de anos atrás). O es­pé­ci­me ra­ro era um ani­mal qua­drú­pe­de, com cau­da e pes­co­ço lon­gos e uma ca­be­ça pequena. “To­do fós­sil é úni­co, pois re­pre­sen­ta um indivíduo. Às ve­zes, con­se­gui­mos exem­pla­res da mes­ma es­pé­cie, mas do ma­xa­ca­lis­sau­ro, ain­da não”, dis­se, à épo­ca ao Es­ta­do de Mi­nas.

O Mu­seu dos Di­nos­sau­ros, em Ube­ra­ba, é uma das re­fe­rên­ci­as em ex­po­si­ção pa­leon­to­ló­gi­ca em Mi­nas Ge­rais com três exem­pla­res de di­nos­sau­ros iden­ti­fi­ca­dos e ou­tros seis ain­da sem des­cri­ção, ao la­do de um to­tal de 1,5 mil fósseis. A es­tru­tu­ra re­ce­be, em mé­dia, 60 mil pes­so­as por ano e tem itens co­le­ta­dos há se­te anos, que re­pre­sen­tam tam­bém a fau­na de ver­te­bra­dos da região. As es­tre­las do acer­vo são os úni­cos ovos de di­nos­sau­ros com­ple­tos do Brasil.

 

Fon­te de pes­qui­sas

 

As téc­ni­cas ci­en­tí­fi­cas uti­li­za­das na bus­ca de ou­tros mi­ne­rais no mo­men­to em que a pro­du­ção do ou­ro e di­a­man­te es­ta­vam em de­clí­nio em Mi­nas Ge­rais são o te­ma do dou­to­ra­do so­bre his­tó­ria da quí­mi­ca do pro­fes­sor do Cen­tro Uni­ver­si­tá­rio Newton Pai­va Lu­ci­a­no Faria. E o Mu­seu Na­ci­o­nal, des­truí­do pe­lo fo­go, era uma fon­te pri­má­ria pa­ra su­as pes­qui­sas, uma vez que guar­da­va amos­tras de mi­ne­rais en­vi­a­dos por gran­des na­tu­ra­lis­tas pa­ra o Rio de Ja­nei­ro nos sé­cu­los 18 e 19. “Quan­do a gen­te fa­la de mu­seu, as pes­so­as pen­sam em vi­si­ta­ção de um ma­te­ri­al an­ti­go que es­tá exposto. No en­tan­to, a mai­or par­te dos mu­seus tem o que a gen­te cha­ma de re­ser­va técnica. Ou se­ja, es­ses es­pa­ços são fiéis de­po­si­tá­ri­os de ma­te­ri­al que é pro­du­zi­do em tra­ba­lhos ci­en­tí­fi­cos e lá fi­cam guar­da­dos pa­ra fu­tu­ros pes­qui­sa­do­res”, diz.

No ca­so do pro­fes­sor Fa­ria, o MN era im­por­tan­te pois con­tin­ha as re­fe­rên­ci­as so­bre mi­ne­rais em li­vros e do­cu­men­tos históricos. “Com o au­xí­lio dos fun­ci­o­ná­ri­os do mu­seu, con­se­gui ter con­ta­to com amos­tras de mi­né­rio de chum­bo, de co­bre e até mes­mo uma amos­tra de ou­ro pa­la­di­a­do da mi­na de Gon­go So­co, que foi ex­plo­ra­da por in­gle­ses em Ba­rão de Co­cais (sé­cu­lo 18)”, conta.

O ci­en­tis­ta tem es­pe­ran­ça de que par­te dos mi­ne­rais do acer­vo te­nha re­sis­ti­do ao ca­lor e aos desabamentos. “As­sim co­mo os me­te­o­ri­tos pa­re­cem ter fi­ca­do a sal­vo do in­cên­dio, por se­rem ma­te­ri­ais mui­to re­sis­ten­tes, es­pe­ro que os mi­ne­rais que es­ta­va es­tu­dan­do te­nham resistido. Po­rém, al­guns po­dem se de­com­por ou per­der par­te de su­as ca­rac­te­rís­ti­cas ou mes­mo se­r com­ple­ta­men­te descaracterizados.” De acor­do com o pes­qui­sa­dor, além da amos­tra de ou­ro, há uma ri­ca co­le­ção de mi­ne­rais que foi com­pra­da no sé­cu­lo 19 pe­lo Im­pé­rio Bra­si­lei­ro na Alemanha. “Es­sa co­le­ção foi do acer­vo de um dos pais da ge­o­lo­gia mun­di­al, Abraham Go­tllob Wer­ner”, afirma o professor.

Pa­ra Fa­ria, a per­da de qual­quer ma­te­ri­al do mu­seu é inestimável. “As­sim co­mo meu pro­je­to de dou­to­ra­do po­de so­frer atra­sos com is­so, ou­tra cen­te­na de pro­je­tos po­dem ter si­do in­ter­rom­pi­dos ou nun­ca po­de­rão acon­te­cer sem es­se gran­de ban­co de da­dos que es­ta­va no mu­seu”, destaca. “Es­te é um mo­men­to que nos faz sen­tir ali­vi­a­dos pe­lo fa­to de par­te da­qui­lo que foi es­tu­da­do no pas­sa­do em Mi­nas Ge­rais ter ru­ma­do pa­ra mu­seus da Fran­ça, Di­na­mar­ca e Rús­sia, por con­ta dos tra­ba­lhos de Pe­ter Lund, Ema­nu­el Po­hl e Au­gust de Saint Hi­lla­ry”, pondera.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade