Publicidade

Estado de Minas

Rua de Respeito beneficia moradores de rua em BH

Serviços sociais gratuitos foram oferecidos na 6ª edição do projeto


postado em 18/09/2018 18:08 / atualizado em 18/09/2018 18:49

(foto: Edésio Silva/E.M/D.A. Press)
(foto: Edésio Silva/E.M/D.A. Press)
Moradores de rua receberam atenção especial nesta terça-feira. A 6ª edição do projeto Rua do Respeito, promovido pelo Serviço Social Autônomo (Servas) aconteceu na Rua Aarão Reis, embaixo do Viaduto Santa Tereza, na Região Leste de Belo Horizonte.

Serviços gratuitos de assistência social foram oferecidos para pessoas que compareceram no local das 8h às 16h. Os moradores puderam se beneficiar de atendimento odontológico, exames básicos de saúde, orientação jurídica, consulta previdenciária, corte de cabelo e apresentações culturais.

O projeto, criado pelo Servas para integração social das pessoas em situação de rua, incentiva a população a colaborar na transformação da vida de quem mora nas ruas por meio de ações práticas em parceria com diversas instituições e órgãos públicos. 

“Participei do evento e percebi que a população de rua acolhe bem esse tipo de ação. Acredito que o estado e o município tem que enfrentar junto essa questão, isso precisa ser articulado em todas esferas e tomar esforços”, conta Sandra Ferreira, gerente de gestão dos serviços da alta complexidade da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH).

Ainda não se sabe quantas pessoas foram beneficiadas nesta edição, mas, segundo Rodrigo Fernandes, diretor de investimento social do Servas, o evento atendeu as expectativas da instituição.

“No almoço, foram distribuídos marmitex e, pela manhã, distribuímos 4 mil peças de vestuário, que acabaram rapidamente. Com a época fria do ano eles precisam muito”, conta Rodrigo.

Ainda segundo o diretor, o Rua de Respeito já beneficiou mais de 2 mil moradores de rua em Minas desde 2015, contando com mais de 70 parceiros institucionais. A última edição realizada na capital foi em setembro do ano passado, no Parque Municipal Américo Renné Giannetti, no Centro, e atendeu mais de 900 pessoas.
 
 
*Estagiária sob supervisão da subeditora Regina Werneck 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade