Publicidade

Estado de Minas

Em BH, grupo protesta contra tragédia no Museu Nacional e culpa governo federal

Cerca de 60 pessoas se reuniram na Praça da Liberdade, em BH, para cobrar valorização da cultura e da história por parte do Executivo, com intuito de preservar a memória nacional


postado em 03/09/2018 20:08 / atualizado em 03/09/2018 21:58

''Os cortes na ciência queimam nossa história'', diz um dos cartazes(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
''Os cortes na ciência queimam nossa história'', diz um dos cartazes (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Na noite desta segunda-feira (03), dezenas de pessoas se concentraram na Praça da Liberdade, em frente ao Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), na Região Centro-Sul de BH, para protestar contra o incêndio que destruiu 90% do acervo do Museu Nacional, no Rio de Janeiro. Portado de cartazes e um megafone, o grupo formado majoritariamente por universitários condenou a gestão do governo federal, inclusive com gritos de 'Fora Temer'.


Entre os presentes, estava a pesquisadora Júlia Zuza, de 34 anos, que criticou a falta de recursos para o campo científico e cultural. “Tem um descaso sistêmico com essas áreas. É impossível reconstituir o que estava no museu, mas eu acredito que, se verbas forem repassadas e tivermos uma preocupação com outros museus, podemos evitar que isso se repita. Já aconteceu isso com o Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo. Essa pauta precisa ser importante”, ressaltou a estudante de Literatura da Universidade de Coimbra, em Portugal.


Para Marcos Delazari, estudante de Museologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a tragédia representa uma “tristeza imensa” para a área. “A gente está vivendo um momento de grande crise da identidade nacional. Você ter um museu de grande importância queimado é uma coisa que a gente não consegue dimensionar”, afirmou.


Manifestantes se reuniram também em outras cidades brasileiras nesta segunda-feira. No Rio de Janeiro, centenas de pessoas invadiram a área da Quinta da Boa Vista e a polícia reprimiu a multidão com spray de pimenta e golpes de cassetete. A capital fluminense também registrou atos na Cinelândia, em frente a Câmara dos Vereadores. Houve mobilização também no Museu de Arte de São Paulo (MASP).



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade