Publicidade

Estado de Minas

Dia D: saiba onde vacinar seu filho contra pólio e sarampo

Até aqui, apenas 61,3% das crianças entre 1 e 4 anos, 11 meses e 29 dias foram vacinadas em Belo Horizonte; por isso, prefeitura se mobilizou para atingir meta de 95%


postado em 29/08/2018 20:34 / atualizado em 29/08/2018 20:45

Proteção contra a doença está disponível em todas as unidades básicas de saúde. Doses devem ser tomadas por crianças e adultos de até 49 anos(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
Proteção contra a doença está disponível em todas as unidades básicas de saúde. Doses devem ser tomadas por crianças e adultos de até 49 anos (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A PRESS)
A Prefeitura de Belo Horizonte vai promover um novo Dia D da vacinação contra sarampo e poliomielite. Neste sábado (1/9), entre 8h e 17h, todos os centros de saúde vão oferecer a imunização contra as doenças. Também serão abertos postos extras no Boulevard Shopping, Parque Municipal, Serviço de Atenção ao Viajante e BH Shopping. 

Na capital, o público-alvo totaliza 109.438 crianças. A meta é vacinar 95% dessas crianças. Até o momento, 61,4% desse público recebeu a dose contra pólio. Já contra o sarampo, foram 61,3%. Foram aplicadas 67.196 doses contra pólio e 67.034 doses contra o sarampo. É importante alertar aos pais e responsáveis que, mesmo as crianças com as doses completas dessas vacinas, devem receber o reforço da campanha.

Até o momento, a Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) recebeu notificações de 30 casos suspeitos de sarampo. Desses, cinco foram descartados e 25 ainda estão em investigação. Em Belo Horizonte, os últimos diagnósticos foram registrados em 1997. Já em relação à poliomielite ou paralisia flácida aguda, não houve notificação de casos para a doença e também não há casos confirmados na cidade.

A Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES/MG) informou que as razões para a baixa procura pela vacinação pode ser atribuído a vários fatores. Segundo a pasta, o sucesso do programa nacional de imunização, com redução de casos de doenças evitadas pela vacinação, é um deles. “A redução de casos acabou provocando um efeito inverso do desejado, criando uma falsa sensação de que as vacinas não são mais necessárias”, informou, em nota. Outro motivo apontado pela Saúde estadual é a ação de grupos que divulgam informações falsas sobre a vacinação. Segundo a pasta, “todas as vacinas são incluídas no calendário nacional após análise sobre a importância da doença e estudos que comprovem que o produto trará benefício e não risco para a população”.

A secretaria acrescentou que tem adotado ações para contornar esses obstáculos e incentivar a vacinação. Entre elas, citou o repasse de incentivo de R$ 5,8 milhões para incrementar a campanha nacional de imunização nos municípios, de acordo com portaria editada no fim de junho. Listou também incentivo de R$ 60 milhões, para melhor estruturação de 3.142 salas de vacina que já funcionam em unidades de saúde.

A Campanha Nacional de Vacinação 2018 se iniciou no último dia 6 e teve seu primeiro Dia D no último dia 18, também no sábado. O foco deste ano fica concentrado nas imunizações contra sarampo e na poliomielite, que estão abaixo do ideal e causam preocupação nos órgãos públicos.

Postos extras de vacinação:

Parque Municipal

 Av. Afonso Pena, 1377 - Centro, Belo Horizonte – Em frente ao teatro Francisco Nunes

Boulevard Shopping

Av. dos Andradas, 3000 - Santa Efigênia

BH Shopping

BR-356, 3049 – Belvedere

Serviço de Atenção ao Viajante

R. Paraíba, 890 – Savassi

Sarampo


O receio quanto ao sarampo vem do aumento de casos na Região Norte do Brasil, principalmente nos estados do Amazonas e de Roraima. A imunização passa por duas doses: a primeira aos 12 meses de idade (tríplice viral – contra sarampo, rubéola e caxumba) e a segunda aos 15 meses de idade (tetraviral – contra as mesmas doenças e catapora). 

Para quem tem entre dois e 29 anos e nunca se vacinou contra as doenças, a Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais (SES/MG) indica a aplicação de duas doses, com intervalo de 30 dias. Pessoas entre 30 e 49 anos precisam de uma dose para ficar imunes. Os maiores de 49 anos são considerados imunes ao sarampo, uma vez que já conviveram com a doença.

Pólio

Também conhecida como paralisia infantil, a poliomielite voltar a figurar entre as prioridades da campanha de vacinação. A imunização passa Vacina Inativada Poliomielite (VIP), destinada às crianças que nunca foram vacinadas e às menores de um ano. Ela deve ser aplicada, regularmente, aos dois, quatro e seis meses de vida. 

Para quem já recebeu a primeira dose, os centros de saúde oferecem a Vacina Oral Poliomielite (VOP), que é um reforço da primeira. A VOP deve ser aplicada em duas oportunidades, é oral e ficou conhecida pelo personagem Zé Gotinha. 

(Com informações de João Henrique do Vale e Larissa Ricci)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade