Publicidade

Estado de Minas

Adolescente encontrada morta teria discutido com namorado por foto íntima, diz polícia

Em entrevista coletiva, Polícia Civil informou que mensagens trocadas pelo casal alertavam para um relacionamento abusivo


postado em 23/08/2018 20:08

(foto: Reprodução/Facebook)
(foto: Reprodução/Facebook)
Um relacionamento abusivo, composto por ameaças, agressões e chantagens, pode estar por trás do óbito de Luisa Retuci da Silva, de 14 anos, encontrada morta na cidade de Pouso Alegre, no Sul de Minas. Em entrevista coletiva concedida nesta quinta-feira, o delegado Rodrigo Bartolli, vinculado à Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG), explicou como Weslley Ferreira Cruz, de 20, matou a adolescente por enforcamento e depois abandonou o corpo  em um terreno ermo no Bairro Parque Real. 

De acordo com o suspeito, em depoimento à PCMG, uma foto íntima, tirada por ele mesmo momentos antes de cometer o crime, desencadeou uma briga entre o casal. Ele afirmou que se relacionava sexualmente com Luísa em seu carro, no qual teria fotografado a situação íntima. 

No mesmo relato, o suspeito disse que a namorada não teria aceitado o registro, o que motivou a discussão. "Essa foto, inclusive, foi encontrada no celular dele. Mas, a gente não sabe concluir se esse realmente foi o motivo da briga. Vão ser feitas perícias para demonstrar qual a data em que a foto realmente foi tirada", afirmou o delegado Rodrigo Bartolli.

Ainda segundo o delegado, destrinchar as circunstâncias do crime contribui para averiguar se a adolescente foi ou não estuprada antes de morrer. "No próprio celular dele, nós encontramos diversas conversas com teor de briga e ameaça. Então, a gente começa a definir que aquele realmente seria um relacionamento conturbado", detalhou Rodrigo Bartolli.

De acordo com a Polícia Civil, por meio do exame de corpo de delito, Luisa Retuci tinha marcas de estrangulamento e agressões em diversos membros, o que descarta a primeira versão apresentada por Weslley. Na quarta-feira, quando confessou o crime e foi encaminhado ao presídio de Pouso Alegre, o jovem afirmou que tinha aplicado um golpe mata-leão na companheira, mas sem a intenção de matar.

Amigos da adolescente também estiveram no velório para despedir da estudante. "Ela era muito feliz e alegre. Gostava de dançar e cantar bastante", contou Sabrina, uma das colegas mais íntimas da vítima. 

Apesar da proximidade, a relação entre as amigas vinham se distanciando nos últimos meses por conta do comportamento abusivo de Weslley. "Ele proibia ela de ir à casa da avó dela e de sair com a prima dela. Na primeira vez que ele bateu nela, ele a proibiu de falar comigo. Ela até me disse: 'amiga, agora a gente vai voltar conversar normal, porque eu vou terminar com o Weslley'", explicou a amiga.

FRAUDE PROCESSUAL. Para tentar acobertar o crime, Weslley usou o celular de Luísa Retuci para comunicar com a família dela. Segundo a Polícia Civil, ele enviou mensagens à mãe da vítima para ludibriá-la e informou que a adolescente não teria o encontrado em um local combinado pelo casal. Com isso, a família concluiu que a garota estava desaparecida e começou a fazer buscas na região.

Com intuito de manter a confiança dos familiares da companheira, Weslley consolou os parentes da menina e contribuiu na falsa busca por ela. Ele, inclusive, recebeu R$ 20 da família para abastecer seu carro e sair pela cidade à procura da namorada. 

Tudo foi desmascarado na última quarta-feira, quando a mãe acionou a Polícia Militar (PM), justamente no mesmo período de tempo em que um morador de Pouso Alegre encontrou o corpo de Luísa. Durante a conversa com a genitora por telefone, um sargento da PM percebeu a voz do namorado no outro lado da linha, dizendo a seguinte frase: “fala que eu passei a noite aqui”. 

A suspeita se ampliou quando os militares encontraram Weslley e o irmão da vítima na Avenida João Batista Piffer, próxima ao local do crime. Ao chegar para reconhecer o corpo, a PM estranhou a frieza do namorado, o que motivou um deslocamento da polícia até a casa do suspeito. 

Lá, eles acharam o celular de Luísa, roupas íntimas e uma mochila da garota. Após o levantamento dos materiais, o suspeito confessou o crime. Ele vai responder por feminicídio, ocultação de cadáver e fraude processual.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade