Publicidade

Estado de Minas

Trecho em obras da BR-356 tem liberação provisória em BH

Duas faixas que estavam interditadas, desde março, foram abertas ao tráfego nesta sexta-feira


postado em 11/08/2018 06:00 / atualizado em 11/08/2018 09:51

(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Está liberado provisoriamente o trânsito na BR-356, depois de mais de quatro meses de interdição devido ao desabamento da contenção da rodovia na altura do Bairro Santa Lúcia, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Das quatro faixas destinadas ao tráfego no local em direção ao Rio de Janeiro, duas estavam interditadas desde o fim de março, quando a Defesa Civil municipal identificou movimentação no terreno em razão das chuvas intensas daquela época e informou ao Departamento de Edificação e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG), que fechou parte do trânsito e iniciou as obras de reforço na contenção.

A liberação ainda não é 100% definitiva, porque na semana que vem serão necessários alguns ajustes de acabamento e sinalização, segundo o DEER, que vão exigir novos fechamentos pontuais. Esses ajustes ainda não foram possíveis devido ao mau tempo dos últimos dias. Porém, os bloqueios serão menores e por isso a expectativa é de maior fluidez no tráfego a partir de hoje.

A conclusão da obra caminha para um prazo mais curto do que os cinco meses previstos pelo órgão estadual. Segundo o DEER, cerca de 300 novos tirantes foram colocados na parede de contenção da rodovia para manter sua estabilidade, ameaçada pelas chuvas do início do ano. Houve necessidade também de fazer o nivelamento das pistas, que sofreram um abatimento por conta da movimentação do terreno.

Na época do anúncio oficial das intervenções que seriam necessárias no local, o diretor-geral do DEER, Davidsson Canesso, informou que os tirantes que faziam a escora do barranco já não estavam mais exercendo a função devida e, por isso, outros seriam colocados. O paredão tem 160 metros de comprimento e 10 de altura em sua parte mais alta. O tirante funciona como uma espécie de estaca, que perfura o solo até o terreno mais sólido, chamado de competente, com o objetivo de prender a parede. Para a realização das obras, 32 famílias que moravam no entorno tiveram que ser retiradas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade