Publicidade

Estado de Minas

Árvore cai e atinge caminhão de lixo na Região Oeste de BH

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o veículo passava pela Rua Celso Clark Lima quando acabou sendo atingido pela árvore


postado em 07/08/2018 13:42 / atualizado em 07/08/2018 13:47

A árvore ficou presa entre a cabine o compartimento onde é colocado o lixo(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
A árvore ficou presa entre a cabine o compartimento onde é colocado o lixo (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

Ocorrências devido ao temporal de granizo que atingiu Belo Horizonte na noite de segunda-feira ainda são atendidas pelo Corpo de Bombeiros. Uma árvore caiu em cima de um caminhão de coleta de lixo no Bairro Palmeiras, na Região Oeste de Belo Horizonte. Ninguém ficou ferido.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, o veículo passava pela Rua Celso Clark Lima quando acabou sendo atingido pela árvore. O tronco acabou ficando entre a cabine do veículo de carga e o compartimento onde é colocado o lixo.

Militares do corpo de bombeiros fizeram o corte dos galhos e eliminaram os riscos.

Militares cortaram a árvore e liberaram a via(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Militares cortaram a árvore e liberaram a via (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


Temporal


Moradores de Belo Horizonte, principalmente de bairros da região da Pampulha e Noroeste, tiveram prejuízos após o forte temporal da noite de segunda-feira na capital. Na manhã desta terça, árvores continuavam caídas nas ruas. Telhados foram arrancados, carros danificados e casas ficaram sem energia elétrica.

Meteorologistas explicam que um fenômeno atípico ocorreu em parte do estado, principalmente na capital e Região Metropolitana de Belo Horizonte, além de cidades da Zona da Mata e Leste de Minas. Ao encontrar com a massa quente, a frente fria que chegou no estado resultou em chuva de granizo de grande volume. “Para o mês de agosto, é um fenômeno atípico. Precipitações com pedras de gelo como as que foram vistas em BH, Contagem, Betim, Nova Lima, entre outros municípios, ocorrem em outubro e normalmente no período da tarde. Foi algo bem raro, que aponta para as mudanças climáticas”, destacou o meteorologista Ruibran dos Reis, do ClimaTempo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade