Publicidade

Estado de Minas

"Eles foram pisoteando", diz vítima de tumulto no Mineirão

Maria Aparecida foi ao evento ''Mineirão Arena Nº1'' com Maria de Fátima, sua irmã, que vai passar por cirurgia no ombro após se ferir na confusão; duas adolescentes também relataram momentos de terror


postado em 27/06/2018 20:43 / atualizado em 27/06/2018 21:23

Depois da confusão e da apresentação da banda Jota Quest, público deixou o Estádio Mineirão(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Depois da confusão e da apresentação da banda Jota Quest, público deixou o Estádio Mineirão (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
A confusão que tomou conta do Estádio Mineirão na tarde de hoje, durante o evento ''Mineirão Arena Nº1'', deixou uma mulher com o ombro fraturado. Socorrida às pressas para a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) Odilon Behrens por uma ambulância do Corpo de Bombeiros, Maria de Fátima, de 52 anos, foi pisoteada durante o tumulto. 

Irmã da ferida, Maria Aparecida contou à reportagem os detalhes do ocorrido. "As pessoas romperam a grade e veio uma multidão, que empurrou todo mundo. Na hora que a gente estava entrando, minha irmã caiu. Eu fiquei em pé, mas fiquei com medo da multidão pisar e, tentando protegê-la, fiquei em cima dela. Não parou de vir gente correndo. Eles foram pisoteando", relatou a mulher, que compareceu ao evento para acompanhar o show da banda Jota Quest.

As amigas Nathália Lopes, 15, e Raíssa Rocha, 14, saíram para assistir o jogo entre Brasil x Sérvia, mas terminaram o dia na UPA Odilon Behrens(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
As amigas Nathália Lopes, 15, e Raíssa Rocha, 14, saíram para assistir o jogo entre Brasil x Sérvia, mas terminaram o dia na UPA Odilon Behrens (foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Também vítima do ocorrido, Raíssa Rocha, 14, mancava nos corredores da UPA Odilon Behrens no momento da entrevista. "Não havia muito espaço. As pessoas que queriam entrar fizeram uma baderna do lado de fora e começara a empurrar. Depois que entramos, minha amiga tropeçou, caiu no chão e foi pisoteada", contou a jovem, que também ficou com falta de ar durante o tumulto. 

Ao lado dela, Nathália Cristina Lopes, 15, lamentou a organização do evento. "Eles abriram um portão e todo mundo queria entrar. Depois eles abriram outro portão ao nosso lado, então as pessoas começaram a empurrar de um lado para ir pro outro. Foi quando eu caí no chão. Eles me encaminharam ao ambulatório do Mineirão, mas quem me trouxe pra cá foram meu pai e minha mãe", disse. 

Além delas, a assessoria do Odilon Behrens informou que outras três mulheres deram entrada na unidade e foram levadas para a sala de emergência. São elas, A.C.G., de 19 anos, K.D., de 15, e T.K., de 20. Não houve confirmação do estado das pacientes, que chegaram em ambulâncias do organizador do evento.

De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde, uma pessoa, do sexo masculino, foi levada à UPA Odilon Behrens, com um corte no rosto, provocado por uma garrafada. O homem chegou ao local em uma viaturada Polícia Militar.

De acordo com testemunhas e a PM, a área já estava lotada, com capacidade de público de 30 mil pessoas sueprada, quando torcedores que chegaram depois dos portões fechados começaram a invadir a Esplanada do Mineirão, pulando a cerca. 

Em determinado momento, quando seguranças abriram os portões, houve uma invasão e pessoas foram pisoteadas. A Polícia Militar, que já fazia a segurança externa com cerca de 80 policiais, enviou mais equipes ao local. Depois de contornada a situação, com os feridos socorridos, a programação seguiu normalmente até o começo da noite, encerrado com o show da banda mineira.

De acordo com o major Resende, do 34º Batalhão da Polícia Militar, a programação tinha estrutura para receber 30 mil pessoas, mas o limite foi rapidamente atingido. Do lado de fora, segundo ele, ficaram pelo menos 20 mil pessoas. “Então foi aí que deu problema. Aqui, pra fazer esse tipo de evento, tem que ter um tipo de controle prévio, como cadastro na internet, ter acesso a um ingresso”, sugeriu Mesquita. “Só que pelo horário, teve gente que chegou três horas antes e não conseguiu entrar. O problema da PM é fora da Esplanada; não foi lá dentro. Chegou um determinado momento que abrimos o portão, mas foi a medida tomada para evitar que pessoas machucassem”, justificou o major.

A produção do “Mineirão Arena Nº1” informou, por meio de nota, que o evento tem capacidade sujeita a lotação, conforme foi amplamente divulgado. “A entrada é gratuita e controlada, por meio de catraca e revista, por uma equipe treinada de seguranças privados e conta com o apoio da Polícia Militar para fazer a segurança no entorno do estádio.”

O evento era gratuito, com exibição do jogo Brasil x Sérvia, válida pela 3ª rodada do grupo E da Copa do Mundo. Na sequência, um show da banda Jota Quest aconteceria no local.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade