Publicidade

Estado de Minas

Comissão parlamentar sugere construção de áreas de escape no Anel Rodoviário para evitar desastres

Iniciativa, que prevê participação direta da Via 040 na implantação das áreas, pode esbarrar em adesão da concessionária em processo de relicitação, o que a desobriga de realizar obras de infraestrutura


postado em 12/06/2018 21:27 / atualizado em 12/06/2018 22:58

A proposta de áreas de escape na
A proposta de áreas de escape na "descida do Betânia" não é nova, mas depende de investimentos (foto: Alexandre Guzanshe/EM/DA Press)
A Comissão Especial de Estudo sobre o Anel Rodoviário, da Câmara Municipal de Belo Horizonte, anunciou hoje que vai recorrer à Via 040, concessionária que cuida do trecho, para viabilizar a implantação de áreas de escape para caminhões e carretas sem freios na via, na descida entre os bairros Olhos D'água e Betânia, como forma de minimizar os riscos de acidente. Uma visita técnica já foi agendada para o próximo mês à empresa, que pertence ao grupo Investimentos e Participações em Infraestrutura (Invepar).

A iniciativa, porém, pode não ter boa acolhida, já que em setembro do ano passado, a Via 040 anunciou sua adesão ao processo de relicitação, que a exime do compromisso de realizar obras de infraestrutura no trecho entre Brasília (DF) e Juiz de Fora (MG). Dos 700 quilômetros que a empresa deveria duplicar em cinco anos, apenas 73 receberam as intervenções propostas no contrato de concessão em pouco mais de três anos. A Via 040 segue operando de forma a garantir a segurança e atendimento 24 horas aos usuários, até a conclusão do processo de relicitação.

Instalada em abril de 2017, a Comissão Especial de Estudo sobre o Anel Rodoviário busca avaliar e propor soluções contra o alto índice de acidentes registrados no Anel Rodoviário, uma das mais violentas de Belo Horizonte. Na semana passada, foi fechado relatório contendo sugestões para o enfrentamento do problema e, nesta terça-feira, o colegiado aprovou a realização da visita técnica à Via 040, em 13 de julho próximo. Também foi aprovada pela comissão a solicitação de cópia de processos do Ministério Público Federal relativos ao anel.

Segundo o vereador Irlan Melo (PR), que requereu a visita técnica, a construção de áreas de escape deu excelentes resultados no sul do país, onde a empresa que administra o Anel de Integração do Paraná (trecho que liga Curitiba ao litoral) adotou a estratégia. Segundo o parlamentar, desde sua instalação, o recurso de segurança foi utilizado quase 700 vezes, o que evitou prejuízos materiais e contribuiu para preservar centenas de vidas.

A proposta é de que a visita permita aos parlamentares avaliar com a concessionária a possibilidade de construção de áreas de escape, bem como compreender os aspectos técnicos implicados nas obras. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade