Publicidade

Estado de Minas

Homem é condenado por tráfico internacional de armas em Minas

Após denúncia, Antônio Callou Cortez foi preso em flagrante em setembro de 2017, em Santa Juliana (MG), no Alto Paranaíba, transportando oito submetralhadoras de fabricação norte-americana e 16 carregadores


postado em 02/06/2018 08:09 / atualizado em 02/06/2018 08:55

 

Oito submetralhadoras de Miami estavam armazenadas no caminhão dirigido por Antônio Callou, condenado a sete anos, um mês e 15 dias de prisão(foto: Divulgação/PMMG)
Oito submetralhadoras de Miami estavam armazenadas no caminhão dirigido por Antônio Callou, condenado a sete anos, um mês e 15 dias de prisão (foto: Divulgação/PMMG)
A Procuradoria da República no município de Uberaba, no Triângulo Mineiro, obteve a condenação de Antônio Callou Cortez por importação ilegal de armas de fogo de uso proibido ou restrito. A pena é válida por sete anos, um mês e 15 dias de prisão e precisa ser cumprida em regime fechado.


Em 8 de setembro do ano passado, o homem foi preso em flagrante com oito submetralhadoras de fabricação estadunidense (Miami, Flórida) e 16 carregadores em Santa Juliana, no Alto Paranaíba.

Na ocasião, a Polícia Militar chegou até Antônio Callou por uma denúncia e o prendeu na BR-452, estrada que liga Araxá e Uberlândia. Além dele, Antônio Regivânio Carneiro Diógenes também participava do ato e teve prisão preventiva decretada, mas está foragido desde então.


Segundo a perícia criminal federal, cada um desses pentes tem capacidade para aproximadamente 40 cartuchos nove milímetros. Todo o material estava armazenado em um caminhão Mercedes vermelho, denunciado também por porte de drogas. Entretanto, a PM não encontrou substâncias ilícitas no veículo. 

“Os dados foram passados para os militares de Santa Juliana (Região do Alto Paranaíba). Eles foram até a BR-452 e conseguiram abordar o caminhão”, explicou o tenente Mateus Dias Campos, assessor de comunicação do 37º Batalhão da Polícia Militar, responsável pela área, na época do acontecimento. 


Arma foi importada de Miami, no estado da Flórida, nos Estados Unidos. Equipamento é de uso exclusivo das Forças Armadas no Brasil. (foto: Divulgação/PMMG)
Arma foi importada de Miami, no estado da Flórida, nos Estados Unidos. Equipamento é de uso exclusivo das Forças Armadas no Brasil. (foto: Divulgação/PMMG)
Ao ser abordado pela PM, Antônio Callou afirmou que carregava o armamento a pedido de um comparsa de apelido “Tiba”. Ele receberia R$ 800 para realizar o serviço de São Paulo (SP) para Salvador (BA).

Mas, as investigações apontaram que o contato entre os dois havia acontecido em abril de 2017, portanto não havia provas suficientes para garantir o relato. Além disso, a rota de São Paulo para Bahia não passa pela BR-452, onde as armas foram capturadas.


Além disso, Callou tem histórico neste tipo de crime. O fato do transporte do armamento ter sido feito de maneira acondicionada (o mais indicado para esse tipo de item bélico), segundo a sentença, “revela a consciência da conduta, do resultado, do nexo causal entre ambos, bem como que efetivamente teve vontade de praticar tal conduta e obter o resultado”.

 

Com informações do Ministério Público Federal. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade